Pré-sal: comunicado à CVM

10 de julho de 2009 / 16:18 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Resposta CVM BMS22 Port finalCom relação às matérias publicadas nos jornais O Globo e Valor Econômico, sob o titulo “Poço no pré-sal não tem petróleo” e de “Papeis da Petrobras caem com notícia sobre poço seco”, a Petrobras esclarece que:

.

O Bloco BM-S-22 localizado na Bacia de Santos, é operado pelo Consórcio formado pela Exxon Mobil (40%-operadora), Hess Corporation (40%) e Petrobras (20%). Segundo cláusulas dos contratos do Consórcio (como o Joint Operation Agreements) e cláusula do contrato de concessão assinado pelo Consórcio junto a Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) somente o operador da área pode comunicar eventos, tais como resultado de perfuração de poços, ao ente regulador, assim como ao mercado em geral.

O Consórcio comunicou à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), através do Operador, a conclusão da perfuração do segundo poço na área do BM-S-22. Porém, como não foi detectado indícios de óleo, não se torna necessário o envio de nenhuma comunicação adicional à ANP, conforme determina a legislação vigente e nem ao mercado. Além disso, a Companhia vem informando ao mercado de forma recorrente a impossibilidade de se pronunciar sobre os blocos operados por outras empresas.

É importante ressaltar que, em toda atividade exploratória do petróleo, existe o risco do poço ser seco (não se encontrar hidrocarbonetos em quantidade adequada à comercialização). Um poço seco, portanto, é algo recorrente da indústria do petróleo e não fato extraordinário. Adicionalmente, o resultado de um poço seco não torna conclusiva a comercialidade do bloco.

No caso do pré-sal, segundo informações amplamente divulgadas pela Companhia, os seis blocos operados pela companhia na Bacia de Santos apresentaram índice de sucesso de 100%. É entendimento da Petrobras de que são improváveis as ocorrências de poços secos, fora dos padrões normais da indústria de petróleo, nessa área do pré-sal da Bacia de Santos, devido ao conhecimento dos modelos geológicos, da quantidade de dados sísmicos e do número de poços já perfurados com sucesso.

Desempenho das ações

Em relação ao desempenho das ações da Petrobras, este está relacionado a diversos fatores, tais como desempenho da economia brasileira e mundial, taxa de câmbio, desempenho operacional e financeiro da Companhia, dentre tantos outros. Ademais, como empresa do setor de óleo, a oscilação do preço das ações da Petrobras está altamente correlacionada com os movimentos dos preços do petróleo no mercado internacional, que vem apresentando acentuada volatilidade. O petróleo Brent caiu 3,4% em 08/07 e acumulou queda de 5,9% na semana (de 06/07 à 08/07), enquanto as ações preferenciais da Companhia caíram 0,8% e 3,1% respectivamente. Em conseqüência, torna-se difícil identificar um fator ou conjunto de fatores conjunturais que expliquem claramente o desempenho das ações da Companhia negociadas em bolsa de valores no Brasil e no exterior.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes