Chuvas prejudicam obras do Comperj

25 de julho de 2009 / 08:21 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Petroquimica 4Em relação às notícias veiculadas ontem (24/7) sobre as obras de terraplenagem do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro – Comperj, a Petrobras esclarece que em virtude de o volume de chuvas nos últimos meses ter sido muito maior do que a média histórica na região de Itaboraí, no Rio de Janeiro, a verba prevista dentro do contrato para cobrir os gastos com as paralisações durante as chuvas se esgotou.

Portanto, a paralisação parcial das obras não tem relação com um possível questionamento do Tribunal de Contas da União – TCU sobre o preço pago a empreiteiras.

Na verdade, o próprio TCU constatou que o preço dos serviços de terraplenagem é vantajoso para a Petrobras em comparação aos preços de referência do tribunal, baseado na construção de rodovias.

A Petrobras está negociando um aditivo ao contrato atual com o consórcio CTC, formado pelas construtoras Andrade Gutierrez, Norberto Odebrecht e Queiroz Galvão; e sobre a cláusula de remuneração para o período de chuvas com o TCU para que as obras não sejam descontinuadas.

Trabalham atualmente nas obras do Comperj 3.700 pessoas e são utilizados cerca de 800 equipamentos de porte como tratores, retroescavadeiras e caminhões.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes