Nem manobra, nem multa e outras cartas

7 de agosto de 2009 / 11:14 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

ilimar 7 8Em relação à nota publicada nesta quinta-feira (07/8) na coluna Panorama Político do jornal O Globo, intitulada “CPI técnica”, a Petrobras esclarece que o valor líquido de tributos federais compensados foi de R$ 1,14 bilhão, e não “R$ 4,3 bilhões”, como citado no texto. A Companhia reitera, mais uma vez, que não realizou nenhuma “manobra contábil”. A opção pelo regime tributário de caixa está legalmente amparada pelo artigo 30 da Medida Provisória nº 2.158-35/2001. Trata-se de um procedimento legal, feito por outras empresas, como já foi amplamente informado pelo próprio O Globo e por outros grandes jornais do País.
Clique nas imagens ao lado para ver as notas publicadas nos dias 6 e 7/8.
Para ler todos os textos publicados neste blog sobre o assunto e demais temas que serão abordados pela CPI, clique aqui.

Leia cartas aos jornais sobre este assunto em

Cartas aos jornais

O Estado de S.Paulo

Ao contrário do que diz a matéria “Tropa de choque livra Sarney de CPI”, publicada neste jornal (7/8), a Petrobras não realizou nenhuma “manobra contábil”. A opção pelo regime tributário de caixa está legalmente amparada pelo artigo 30 da Medida Provisória nº 2.158-35/2001. Trata-se de um procedimento legal, feito também por outras empresas, como já foi amplamente informado pelo próprio O Estado de São Paulo e por outros grandes jornais do País. A Secretaria da Receita Federal jamais divulgou nota afirmando que o procedimento é irregular.

O Globo

Em relação à matéria “CPI da Petrobras barra pedidos da oposição”, publicada por O Globo (7/8), a Petrobras reafirma que não realizou nenhuma “manobra contábil” e tampouco “baixou o recolhimento de impostos” da empresa, como informou o jornal. A opção pelo regime tributário de caixa para apuração de impostos sobre a variação cambial está legalmente amparada pelo artigo 30 da Medida Provisória nº 2.158-35/2001. O objetivo é compensar impostos pagos a mais anteriormente. Trata-se de um procedimento legal, feito por outras empresas, como já admitiu a Receita Federal e foi amplamente informado por vários veículos.


Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes