Diesel em conformidade: carta ao Correio Braziliense

26 de agosto de 2009 / 23:30 Respostas à Imprensa Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

dieselPrezado Editor,

Com relação ao artigo ¨Diesel: vilão do meio ambiente¨ de autoria de Luiz Gonzaga Bertelli, publicado na edição de 25 de agosto , a Petrobras gostaria de esclarecer e corrigir :

Com relação à questão do preço do diesel ,o artigo está incorreto. Informamos que antes de junho p.p. a parcela do produtor (Petrobras) correspondia a 61% e os tributos a 22% do preço ao consumidor. No último dia 09 de junho, a Petrobras reduziu em 15% o preço, sem impostos, do óleo diesel nas refinarias. A Petrobras não responde pelos preços praticados na bomba. Na tabela abaixo, temos a comparação atual de preços, tributos e margens com relação a vários países;

EUA França Alemanha Japão Chile Uruguai Brasil
Parcela Produtor 66% 34% 32% 42% 64% 47% 53%
Tributos 20% 59% 60% 36% 16% 18% 24%
Margem Bruta Distrib./Revenda/Biodiesel 13% 7% 8% 23% 20% 35% 23%
Fonte: PFC Energy, ANP
Mês de referência: Julho/09
Obs.: Em 01/07/09, a proporção de biodiesel misturado ao diesel passou de 3% para 4%..

Com relação à importação de óleo diesel , esclarecemos que em 2009 importamos 5,42% do consumo interno e não os 20% mencionados, além de exportarmos cerca de 1,95%.A adaptação do parque de refino para maximização do óleo diesel , ora em andamento, e os investimentos em curso aumentarão significativamente a nossa capacidade de refino nos próximos anos tornando o Brasil auto-suficiente não só em petróleo mas em todos os seus derivados;

Com relação à citação de que ¨a Petrobras não esta cumprindo a Resolução da ANP sobre o fornecimento de diesel com teor de enxofre máximo de 50 ppm” , informamos que a mesma é inverídica . A Petrobras sempre cumpriu fielmente todas as resoluções emanadas pela ANP ou pelo CONAMA;

Com relação à questão ambiental também registramos alguns enganos , tomando como base o Relatório Anual de Qualidade do Ar de São Paulo de 2008 elaborado pela Cetesb. Realmente o Ozônio troposférico é o poluente mais preocupante para São Paulo. Entretanto, ao apontar o óleo diesel como vilão,o articulista incorre em mais um erro. A formação de Ozônio é resultante da reação dos óxidos de nitrogênio com os compostos orgânicos voláteis, a saber: hidrocarbonetos leves, álcool não queimado, aldeídos, e cetonas, originários principalmente dos veículos leves consumindo tanto gasolina quanto álcool ;

Ainda com relação à questão ambiental, destacamos que o único poluente que pode ser relacionado diretamente com o teor de enxofre do diesel é o Material Particulado que, segundo o relatório da Cetesb já citado, apresenta níveis controlados e abaixo dos limites definidos pelo CONAMA. Com relação à emissão de CO2, relacionado ao efeito estufa ,os motores a diesel , por sua alta eficiência, contribuem menos na emissão desses gases.

Por fim, esclarecemos que a Petrobras não se pronunciou sobre o tema em questão-carros a diesel- diferentemente do que foi informado , mas certamente estará preparada para atender o que a sociedade brasileira escolher.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes