Terraplanagem do Comperj está 42% concluída

26 de agosto de 2009 / 18:06 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

A Petrobras esclarece, em função de matérias veiculadas pela imprensa, que não há superfaturamento na obra do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Cerca de 42% das obras de terraplanagem estão concluídas e relatório inicial do TCU, após minuciosa análise da sua área técnica sobre o tema, afirmou que a proposta contratada era vantajosa para a Petrobras, pois detinha um desconto significativo em seu valor global.

Portanto, o contrato celebrado é vantajoso para a Petrobras, ao contrário do que vem sendo veiculado pela imprensa. Apenas a parte referente ao regime de trabalho sob chuvas é que está sendo esclarecida através das reuniões técnicas. Na quinta-feira, dia 20/8, foi realizada em Brasília uma reunião no TCU em que a Petrobras detalhou todo o procedimento para ressarcimento de custos em função de chuvas, esclarecendo várias dúvidas dos membros do Tribunal. Ficou estabelecido que as razões expostas serão encaminhadas formalmente para o Tribunal.

Outro ponto que merece esclarecimento é sobre a afirmação veiculada de que o método adotado para a obra “é totalmente antieconômico e representa sérios riscos de danos ao erário”. A metodologia adotada busca ressarcir somente os custos relacionados à ocorrência de chuvas e suas conseqüências e atende a uma determinação do TCU feita em Acórdão de 2006, que buscou disciplinar o ressarcimento destes custos.

As informações que estão sendo veiculadas pela imprensa constam de um relatório preliminar do TCU que ainda está sendo examinado pelo tribunal. A Petrobras ainda está prestando esclarecimentos. O TCU reconhece que os ressarcimentos de custos para os equipamentos à disposição na obra foram feitos em valores inferiores a seus custos produtivos. Ou seja, são menores, e não maiores como veiculado.

Os preços referenciais adotados pelo TCU baseados no Sistema de Custos Rodoviários – Sicro, utilizado pelo DNIT, não contemplam chuvas e suas conseqüências. O próprio manual do Sicro prevê que eventuais ajustes aos preços de referência podem ser feitos para refletir as reais condições de execução dos serviços. Dessa forma, é preciso considerar que na ocorrência de chuvas, os equipamentos ficam impedidos de realizar os serviços até que seja possível a retomada da obra (quando são executados serviços para acelerar a drenagem, recuperação de vias de acesso, etc.).

Portanto, o custo destes equipamentos, que permanecem à disposição da obra enquanto aguardam condições climáticas mais favoráveis ao retorno ao trabalho, continua a existir.

O Comperj processará 150 mil barris diários de petróleo em 2012, gerando uma economia para o País de mais de US$ 2 bilhões por ano em divisas, por meio da redução da importação de derivados e de produtos petroquímicos.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes