Em defesa da informação: carta à Márcia Peltier Jornal do Commércio/RJ

3 de setembro de 2009 / 22:18 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

marciaEm relação à nota “Na defesa”, publicada nesta quinta-feira (3/09), a Petrobras esclarece que não é verdade que “refinaria se faz a toda hora no mundo” como disse o ministro do TCU, José Jorge. A última unidade de refino inaugurada no Brasil foi a Refinaria Henrique Lage (Revap), em São José dos Campos (SP) em 1980.

O orçamento para a construção da Refinaria de Pernambuco, também citada na coluna como exemplo de “falta de planejamento na execução e na estimativa de custo” sempre esteve dentro dos parâmetros internacionais. O valor inicial do empreendimento, de US$ 4 bilhões, foi reavaliado devido a vários fatores: aumento da capacidade de refino, de 200 mil para 230 mil barris de petróleo por dia; variações na taxa de câmbio; e, principalmente, a alta dos preços de serviços e equipamentos em função do aquecimento da indústria do petróleo até meados de 2008.

Além disso, o projeto ganhou um novo sistema de tratamento de enxofre e de diminuição de emissões de gases tóxicos. Mesmo assim, a Companhia continua trabalhando para reduzir os custos. Várias licitações já foram canceladas e novamente instauradas, os processos de contratação estão em andamento e as propostas estão sendo avaliadas pelas equipes técnicas. Por isso, não está definido ainda o valor total da refinaria.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes