Seminário: Pré-sal e o futuro do Brasil

23 de setembro de 2009 / 09:43 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

18-seminárioO “Seminário Pré-sal e o Futuro do Brasil” continuou nesta quarta-feira (23/9) com transmissão ao vivo pelo Blog Fatos e Dados.  O evento foi  promovido pelo Correio BrazilienseEstado de Minas (Diários Associados).

Confira a repercussão do seminário na imprensa

Petrobras busca maximizar produção Jornal do Commércio
Árabes e Chineses interessados no pré-sal Correio Braziliense
Dilma defende monopólio da Petrobras no pré-sal O Estado de São Paulo
Pré-sal: plataformas serão feitas no país O Globo
Exploração de petróleo no pré-sal vai favorecer indústria naval Extra
Setor privado já aceita partilha Jornal do Brasil
Percentual destinado à União será critério para escolha de consórcios Valor Econômico
Petrobras fará gasoduto entre Tupi e o continente Folha de S.Paulo

Leia o resumo do seminário

Ministro Lobão abre segundo dia do seminário Pré-sal e o Futuro do Brasil

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, abriu o segundo dia do seminário Pré-sal e o Futuro do Brasil, nesta quarta-feira (23/9) em Brasília (DF). Lobão ressaltou que o novo cenário exigirá esforço de pesquisa da Petrobras e das outras empresas, mas que o desafio “será vencido”, gerando uma oportunidade de crescimento para a indústria nacional. Lobão falou sobre a capitalização da Petrobras.

“A capitalização permitirá à Petrobras aumentar sua capacidade de investimento e obter novos recursos no mercado financeiro”, apontou. Ao falar da proposta de criação do Fundo Social, Lobão ressaltou que a riqueza a ser gerada pelo pré-sal pertence à União e por conseqüência ao povo brasileiro. “É fundamental que o governo possa gerir os recursos”, defendeu.

Citando o bom momento econômico vivido pelo país, Lobão afirmou que o caráter estratégico das riquezas do pré-sal justifica a criação da Petrosal e uma maior participação da Petrobras.  “Temos que ter em conta que o petróleo é uma reserva estratégica tanto aqui como em qualquer parte do mundo. É fiel da balança geopolítica. Com essas considerações justifica-se a criação de uma empresa estatal que vai permitir gestão política do pré-sal e maior participação da Petrobras na exploração”, disse Lobão, ressaltando que a Petrobras detém o conhecimento das bacias sedimentares brasileiras.

O evento tem como objetivo discutir pontos da proposta de novo modelo regulatório de exploração e produção do petróleo, como a implementação do modelo de partilha e a atuação da Petrobras como operadora única de todos os campos do pré-sal.

Petrobras discute pré-sal em seminário

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, parlamentares e membros da sociedade civil falaram nesta terça-feira (22/9) no seminário Pré-sal e o Futuro do Brasil, em Brasília. O evento tem como objetivo discutir pontos da proposta de novo modelo regulatório de exploração e produção do petróleo, como a implementação do modelo de partilha e a atuação da Petrobras como operadora única de todos os campos do pré-sal.

Gabrielli frisou que não há nenhum grande problema tecnológico que possa inviabilizar a exploração do pré-sal. Segundo ele, a Petrobras já tem a tecnologia necessária. Gabrielli afirmou ainda que a Companhia já está desenvolvendo tecnologia para tornar possível a liquefação do gás produzido a longas distâncias da costa. Gabrielli disse que a exploração do pré-sal é viável e será ainda mais rentável à medida que a produção aumente.

Na abertura do evento, a ministra Dilma Rousseff disse ter certeza de que as reservas do pré-sal têm um volume imenso que pode levar o Brasil a se transformar numa das grandes potências petrolíferas do mundo. Ela ressaltou que as condições são extremamente favoráveis. “As reservas encontram-se num país com estabilidade social, política e econômica muito significativa. Somos um país que está maduro ao descobrir essas imensas jazidas e temos o controle da tecnologia”, comentou. Dilma frisou que a escolha da Petrobras como operadora de todos os blocos foi considerada fundamental pelo governo. “A operação de um campo leva a conhecimentos estratégicos. Isso permite que haja um controle do país ao explorar essa riqueza”, completou.

O professor Helder Queiroz, do Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), destacou que um dos grandes mitos do pré-sal refere-se ao modelo apresentado pelo governo, em discussão na Câmara. “Não existe evidência empírica de que o regime de concessão é melhor do que o de partilha. É o desenho do marco regulatório que vai apontar as vantagens. Também não é um modelo de país subdesenvolvido ou desenvolvido. Existem no mundo afora vários exemplos de regimes híbridos”, expôs.

Para o senador Delcídio Amaral (PT/MS) , é possível a convivência dos sistemas de concessão e partilha, tal como o governo defende nos projetos. Para ele, é fundamental que o governo garanta ao investidor, especialmente o estrangeiro, o cumprimento dos contratos. Daí a importância da definição do marco legal conforme os projetos de lei encaminhados pelo governo ao Congresso. O senador disse que acredita que o Brasil caminha para um investimento muito seguro. “O retorno virá”, afirmou.

Para o senador Aloizio Mercadante (PT/SP), a grande questão no debate do pré-sal é transformar a riqueza econômica numa riqueza social. Mercadante disse que é necessário que o país tenha um controle estratégico sobre o pré-sal e o defendeu modelo de partilha. “Estamos discutindo um projeto de nação, o que queremos para o nosso país no futuro, e não uma questão eleitoral”, defendeu. O senador acredita que o modelo proposto pelo governo vai “gerar uma sociedade do conhecimento”, com o aproveitamento dos recursos na área de educação e na geração de renda em setores que não dependem do petróleo. Mercadante defendeu a capitalização da Petrobras e a garantia de participação da empresa, nos moldes propostos pelo governo.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes