Gabrielli na Câmara detalha capitalização e cessão onerosa

13 de outubro de 2009 / 22:21 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, participou hoje (13/10) de audiência pública na comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o projeto de lei que prevê a capitalização de Petrobras e a cessão onerosa de 5 bilhões de barris pela União à Companhia.

Gabrielli iniciou a apresentação ressaltando que as operações de cessão onerosa e de capitalização da Petrobras não terão qualquer impacto fiscal. “A União será ressarcida pelo que pagou à Petrobras. Do ponto de vista da dívida pública, essa operação será nula. Não terá nenhum impacto sobre a dívida pública, sobre o superávit primário ou sobre as contas públicas”, destacou.

Veja aqui a apresentação feita pelo presidente Gabrielli

Sobre o valor da operação de cessão de 5 bilhões de barris, o presidente da Petrobras afirmou que, apenas após avaliações das áreas de onde serão extraídos estes barris, será possível fazer uma estimativa do valor da operação de cessão onerosa. “É preciso identificar volumes, curvas de produção, cenário de preços no longo prazo, fluxo de caixa futuro e custos”, ressaltou.

O presidente apresentou dados sobre operações envolvendo cessão de reservas em todo o mundo em 2008 e 2009. Segundo ele, houve em 2008, 134 operações deste tipo e em 2009 (até agosto), 83 operações. O valor do preço do barril nestas operações variou entre US$ 0,77 e US$ 17,63. A grande variação, de acordo com o presidente, deve-se a especificidades de cada área. “As avaliações são feitas caso a caso porque as variações de condições de produção são muito grandes. Portanto, não é possível fazer estimativas de valores neste momento”, disse.

Gabrielli afirmou que, se o preço de petróleo permanecer na faixa de 65 dólares o barril, a Petrobras estará financiada até 2013. Caso caia a 45 dólares o barril, os projetos estarão financiados pelos próximos dois anos. Apesar disso, o presidente destacou que a operação de capitalização é importante para melhorar os indicadores da Companhia. “A operação dará musculatura financeira à Petrobras e vai melhorar os indicadores econômico-financeiros da Companhia”.

A respeito de quanto aumentará a participação da União no capital da Petrobras, Gabrielli afirmou que isto dependerá do valor exercido pelos acionistas minoritários, que terão direito a aumentar sua participação proporcionalmente às ações que já detinham. “Se os minoritários exercerem 10% do valor a que têm direito, a União poderá aumentar em até 17% sua participação no capital social da Petrobras. Se os acionistas exercerem 100%, não haverá alteração”, explicou.

O presidente explicou ainda que a operação de aumento de capital não poderá ser feita em etapas, porque a lei das S.A não permite parcelamento em compra de ações. Já a cessão onerosa deverá ser feita em, pelo menos, duas etapas. “Em um primeiro momento, define-se o valor certificado e as regras para o valor ser reavaliado. Na medida em que se conhece o reservatório, reduzem-se as incertezas e isso tem reflexo na avaliação do valor. Quanto menos incertezas, maior o valor atribuído ao barril”, concluiu o presidente.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes