Petrobras e UFRJ inauguram laboratório de automação e controle

28 de outubro de 2009 / 21:31 Tecnologia e Inovação Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

O Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras (Cenpes) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inauguraram em 27/10, na Ilha da Cidade Universitária, a fase I do Laboratório de Engenharia, Aplicação e Desenvolvimento em Instrumentação, Automação, Controle, Otimização e Redes de Campo (LEAD).

Em um prédio de 150 m2, o LEAD vem contribuir na identificação de novas rotas tecnológicas na área de automação e controle. A Petrobras investiu em infraestrutura e na aquisição de equipamentos em área disponibilizada pela UFRJ.

O laboratório contém três importantes equipamentos que simulam os equipamentos de uma refinaria, o que poderá contribuir não só para formação de recursos humanos na universidade, mas também para treinamentos de profissionais da Petrobras, como destacou o gerente geral de Engenharia Básica Abastecimento, Gás e Energia do Cenpes, Eduardo Guerra. “O benefício é para sociedade como um todo e, no caso da Companhia, há retorno empresarial, pois o conhecimento desenvolvido irá permitir operações mais eficientes e seguras. O controle e automação permitem tirar o profissional de áreas de risco, além de garantir confiabilidade nas instalações”, ressaltou Guerra.

Veja também a repercussão na Agência Brasil e nos jornais Folha de S. Paulo e Jornal do Brasil .

Para o gerente geral de Equipamentos e Serviços da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), Hamilton Romanato, o LEAD dará grande contribuição para experimentação e testes de novas instalações de unidades de refino de petróleo. “Nossa expectativa é que o laboratório propicie um ambiente para criação, desenvolvimento e experimentação dessas novas soluções, sem comprometer a continuidade dos processos de operações em andamento”, afirmou.

Além desses desafios, o professor titular do Programa de Engenharia Elétrica da UFRJ Liu Hsu apontou novas oportunidades também para área do pré-sal. Segundo ele, a produção de petróleo nessas regiões exigirá uma logística complexa, com operação remota e visualização à distância do processo. “Estamos pensando em plataformas menos habitadas. Como esses processos serão de alto grau de automação, o LEAD poderá atuar também neste segmento”, conclui Hsu.

A segunda fase do LEAD, atualmente em pré-licitação para construção, prevê ocupação de uma área de 1800 m2 no Parque Tecnológico da UFRJ, próximo ao LabOceano, também resultado da parceria entre a Petrobras e a UFRJ.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes