Petrobras buscará petróleo em águas profundas no Ceará

21 de novembro de 2009 / 09:58 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, anunciou que a Companhia buscará petróleo em águas profundas no Ceará, a partir de 2011. “Nas áreas concedidas, nosso plano de desenvolvimento envolve atividades de exploração em águas profundas, no Ceará, em 2011”, afirmou Gabrielli, nesta sexta-feira (20/11), em audiência pública na Assembléia Legislativa do Ceará para debate dos projetos de lei relativos ao pré-sal, encaminhados pelo governo ao Congresso Nacional. O presidente da Petrobras anunciou ainda investimentos US$ 430 milhões até 2015 nas atividades de exploração do Ceará, em terra.

Veja aqui a apresentação feita pelo presidente Gabrielli em audiência pública na Assembléia Legislativa do Ceará.

Gabrielli reafirmou o cronograma da obra da Refinaria Premium II, que está sendo construída no município de Caucaia, a 54 km de Fortaleza. “Não há nenhum atraso”, ressaltou. Durante as obras, serão gerados cerca de 90 mil empregos diretos, indiretos e por efeito renda.  A refinaria produzirá principalmente diesel com baixo teor de enxofre, mas também Querosene de Aviação (QAV), Nafta (matéria prima para a indústria petroquímica), Gás de Cozinha e Diesel Marítimo (“bunker”). A refinaria operará a partir de 2013, com produção de 150 mil barris diários, e a partir de 2015, com 300 mil barris diários. O petróleo para refino virá da Bacia de Campos.

O presidente da Petrobras anunciou ainda que 16.125 trabalhadores serão qualificados pela Companhia no Ceará até 2013, nas áreas de construção civil, montagem, manutenção e operação. Até agora, 1.292 trabalhadores do Estado já foram qualificados, em construção e montagem.

Gabrielli se pronunciou ainda sobre a importância dos empreendimentos da Petrobras no Ceará. O Terminal de Regaseificação de Gás Natural, no Complexo Portuário de Pecém, em Caucaia, permite o transporte de gás em estado líquido por navios e sua regaseificação, em terra, para em seguida seu transporte através de gasodutos.  Segundo o presidente da Petrobras, o terminal é um “pulmão”, por permitir flexibilidade na distribuição do gás natural.

Na Assembléia, Gabrielli defendeu a proposta do marco regulatório apresentada pelo governo. Além de Gabrielli, compuseram a mesa de trabalhos o governador do Ceará, Cid Gomes, o senador Inácio Arruda (PC do B – CE), os deputados federais José Airton (PT-CE) e José Nobre Guimarães (PT – CE), o presidente da Central Única dos Trabalhadores do Ceará (CUT-CE), Jerônimo Nascimento, e os deputados estaduais Nelson Martins (PT), Domingos Filho (PMDB) e Chico Lopes (PC do B).

Gabrielli anunciou que é meta da Petrobras ter até 2013 71% de conteúdo nacional em produtos e serviços contratados para a exploração das áreas do pré-sal. Atualmente, esse conteúdo é de cerca de 65%. Com o aumento do conteúdo nacional, o país poderá se livrar do que Gabrielli chamou de “maldição do petróleo” – quando a indústria petrolífera se sobressai às demais, impedindo o desenvolvimento de outras cadeias produtivas. “Estamos comprando sete sondas e afretando nove para perfuração em água profundas. Queremos que elas sejam feitas no Brasil. Queremos gerar emprego e renda no Brasil”, afirmou.

Sobre a distribuição de royalties, cujas propostas de mudança também tramitam no Congresso, o presidente da Petrobras esclareceu que a empresa só repassa os recursos diretamente ao Tesouro Nacional, sem poder de decisão sobre a distribuição e aplicação. “Como cidadão, concordo que é precisa ter uma melhoria na distribuição dos royalties, mas a Petrobras pagará o que for devido, indepentemente da distribuição”, disse.

Sobre a tecnologia necessária à exploração em águas profundas, o presidente da Petrobras informou que a “alta tecnologia” envolvida está sendo viabilizada através das redes temáticas, que são um modelo de parceria estabelecido pela empresa com universidades e institutos de pesquisa nacionais. São 50 redes que envolvem 80 universidades e institutos de pesquisas de todo o país em projetos de interesse nas áreas de atuação da Petrobras. Desde 2006 a empresa investe em média R$ 400 milhões por ano em formação de infraestrutura, aquisição de equipamentos, qualificação de pesquisadores e projetos de P&D nas entidades parceiras.  “Estamos criando condições para que a ciência brasileira possa responder a nossos desafios”, disse.

O presidente da Petrobras informou ainda que a Usina de Biodiesel de Quixadá, interior do Estado, beneficia hoje 24.754 agricultores familiares do Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Os agricultores fornecem oleaginosas para a cadeia produtiva do combustível associada à Usina.

Para o governador do Ceará, Cid Gomes, o Pré-sal é um “marco”. Ele defendeu o regime de partilhada e destacou a auto-suficiência em produção de petróleo, obtida pelo país. O governador cearense destacou o Impacto dos investimentos da Petrobras na recuperação da indústria naval brasileira. Na questão dos royalties, o governador do Ceará defendeu distribuição de recursos às regiões mais pobres.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes