Refinaria Abreu e Lima: carta ao Estadão

29 de janeiro de 2010 / 17:21 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Em relação ao Editorial publicado nesta sexta-feira (29/1), a Petrobras reafirma que não houve “superfaturamento” ou “sobrepreço” nas obras da refinaria Abreu e Lima. O TCU usa como referência para análise do contrato os critérios do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) para a construção de estradas. A Petrobras já esclareceu ínúmeras vezes que esses critérios não se aplicam à terraplanagem de uma refinaria de petróleo, obra muito mais complexa e com especificidades muito diferentes das características de uma rodovia.

Um dos grandes desafios para a construção da refinaria de Pernambuco, na fase de terraplanagem, foi o tipo de solo da região. Parte dele é expansivo, ou seja, com grande variação de volume e mobilidade. Além disso a estação de chuvas trouxe dificuldades adicionais à obra.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes