Cooperação tecnológica para o pré-sal

10 de fevereiro de 2010 / 09:18 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

A Petrobras e três instituições de ensino nacionais (UNESP, UNICAMP e UENF) assinaram na terça-feira (9/2) um protocolo de intenções com objetivo de estabelecer as bases para futura cooperação tecnológica nos estudos do pré-sal, nas áreas de Geociências e Engenharia de Reservatórios, com foco em pesquisa e capacitação. Diante das grandes descobertas de reservas de petróleo em rochas carbonáticas das Bacias de Santos e Campos, a Petrobras vem desenvolvendo estudos para viabilizar a exploração comercial desses campos. Com isso será possível também alavancar o desenvolvimento tecnológico nestas áreas de especialização.

Na terça-feira (9/2) ocorreram as primeiras assinaturas, sendo a primeira na sede da Unicamp em Campinas e a segunda na UNESP, em Rio Claro, ambas no interior paulista. Nas duas solenidades esteve presente o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme de Oliveira Estrella, além de representantes das Universidades como os reitores Herman J. Cornelis Voorwald e Fernando Ferreira Costa, respectivamente, e do vice-reitor Abel Carrasquilla, da UENF, além de outros pesquisadores, docentes e executivos da Companhia.

Com assinatura do documento, a Petrobras visa iniciar conversações para a criação do Sistema de Capacitação e Tecnologia em Carbonatos (SCTC), dando preferência a projetos que atendam os requisitos de “Investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento”, conforme descrito no Regulamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Para isso, os participantes deverão promover reuniões, trocar informações técnicas e estudos conjuntos de viabilidade técnico-econômica, bem como indicar representares para interagir com o grupo que irá propor a estruturação do referido Sistema.

Segundo o Estrella, a escolha das Universidades se deu a partir do know-how destas em rochas carbonáticas, que são encontradas na chamada camada do pré-sal. Afirmou também que as universidades contribuirão de forma efetiva para compreensão de suas características, já que ainda são pouco conhecidas pela a indústria, embora já apresentem imenso potencial.

Para finalizar o diretor argumentou que o compromisso assumido será fundamental para o desenvolvimento da pesquisa em petróleo no país, já que a base científica de pesquisa está na Academia, o que garante a diminuição do risco em exploração e produção, contribuindo para a sustentabilidade do negócio.

Instituições parceiras

Das instituições participantes, foram selecionadas as que apresentam notória especialização nos estudos aplicados ao pré-sal. São elas: Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho (UNESP), com foco em estudos geocientíficos de sistemas sedimentares carbonáticos; Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) com foco na área de Geofísica, Geologia e Engenharia de Petróleo (Geoengenharia) e Didática em Geociências.

Também participam a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), em projetos de avaliação de reservatórios; e as Universidade Federal Fluminense (UFF), e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com foco na área de estudo de modelos geológicos atuais, análogos, aplicados ao pré-sal.

Além dessas universidades, que atuarão como coordenadoras nos estudos específicos, o Sistema deverá incluir outras instituições de ciência e tecnologia, aperfeiçoando o modelo de relacionamento iniciado em 2006, através das Redes Temáticas e Núcleos Regionais de Competência.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes