Transpetro inicia concorrência para construção de nova frota hidroviária

10 de março de 2010 / 21:08 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

A Transpetro iniciou nesta quarta-feira (10/03) a concorrência para a construção de 20 comboios (80 barcaças e 20 empurradores), que navegarão pela Hidrovia Tietê-Paraná, transportando etanol para os mercados interno e externo. A Feicana/Feibio – um dos principais encontros do setor sucroalcooleiro do País, que acontece anualmente em Araçatuba (SP) – foi escolhida pela empresa para o lançamento do Promef Hidrovia, novo projeto do Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef). Esta será a primeira vez que a Transpetro irá operar este tipo de embarcações para transporte de etanol.

Participaram da cerimônia de lançamento, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, o presidente da Transpetro, Sergio Machado, e o prefeito de Araçatuba, Cido Sério.

A partir de hoje, as cartas-convites a 25 estaleiros começam a ser enviadas, dando início à concorrência. A estatal espera receber as propostas dos estaleiros interessados até o final do primeiro semestre. Cada comboio terá capacidade para transportar 7.200 metros cúbicos, ou 7,2 milhões de litros. A capacidade anual de transporte chegará a 4 bilhões de litros, cerca de 20% do mercado atual.A operação dos novos comboios hidroviários integra o Programa de Logística Integrada de Escoamento de Etanol da Petrobras, que inclui, ainda, a construção de novos dutos, centros coletores e terminais. A previsão é de que sejam gerados dois mil empregos com a construção das barcaças e empurradores, sendo 400 diretos e 1.600 indiretos.

O novo projeto segue os passos do Promef, que revitalizou a indústria naval brasileira a partir da encomenda de 49 navios petroleiros. “Assim como o Promef foi a mola propulsora que possibilitou o renascimento da nossa indústria naval, tenho certeza de que este novo programa abrirá caminho para uma nova era de uso intenso do modal hidroviário no país,” afirmou Sergio Machado.

A utilização dos comboios hidroviários marca também o início de uma mudança necessária na matriz de transporte no País, ampliando o uso de hidrovias, menos poluentes e mais econômicas, além de diminuir a participação excessiva do modal rodoviário. O transporte hidroviário emite um terço do gás carbônico (CO2) e consome quase 75% menos combustível do que o rodoviário, para uma mesma carga transportada. A redução da emissão de CO2 chega a dois terços com o uso da hidrovia.

O Plano Nacional de Logística e Transportes do Governo Federal prevê o aumento de 13% para 29% da fatia do modal aquaviário na movimentação de cargas do País, em doze anos. O incentivo às hidrovias e à navegação de cabotagem (ao longo da costa) é o instrumento principal para este aumento.

“O uso da hidrovia vai permitir reduzir o custo da logística do nosso etanol. Com isso, ganharemos maior competividade, em todos os mercados,” declarou a ministra Dilma Rousseff.

A construção da nova frota hidroviária da Transpetro seguirá as premissas fundamentais do Promef: fabricação no Brasil, conteúdo nacional de 70% e competitividade internacional dos estaleiros após a curva de aprendizado. A concorrência será aberta a estaleiros já instalados e também a unidades a serem instaladas para a disputa, os chamados ‘estaleiros virtuais’. A nova frota de 20 comboios começará a ser entregue a partir de 2011.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes