Investimentos em exploração e produção em Sergipe somam R$ 1,5 bilhão

16 de março de 2010 / 21:59 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, e os diretores de Exploração e Produção, Guilherme Estrella, e de Gás e Energia, Graça Foster, fizeram, nesta terça-feira (16/3), visita oficial ao Estado de Sergipe para anunciar a realização de uma grande campanha de perfuração exploratória em águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas em 2010, a execução de obras em rodovias sergipanas e a ampliação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados de Sergipe (Fafen). A solenidade, no Centro de Convenções de Sergipe, contou com a presença do governador de Sergipe, Marcelo Déda, empresários e lideranças locais. Os investimentos da Petrobras na área de Exploração e Produção em Sergipe somam R$ 1,5 bilhão. Na Fafen, serão US$ 131 milhões.

Gabrielli comentou a recente descoberta da Petrobras comunicada à Agência Nacional do Petróleo (ANP) da nova acumulação de petróleo leve em reservatórios na Bacia de Sergipe, após conclusão da perfuração do poço exploratório 3-PRM-12-SES, na área de Piranema, na seção pós-sal. O volume de petróleo economicamente recuperável é estimado em 15 milhões de barris. O poço exploratório foi perfurado no extremo norte da área de concessão de produção de Piranema, a cerca de 28 km do litoral do Estado de Sergipe, em profundidade de água de 800 metros. A descoberta foi realizada em reservatórios areníticos do pós-sal e está localizada a 2.693 metros de profundidade. Estimativas preliminares indicam a presença de petróleo leve (44 graus API), em reservatórios com boa espessura e excelentes condições permo-porosas, confirmadas pelos dados obtidos até o momento.

A descoberta é fruto da estratégia exploratória de intensificar os trabalhos próximos a campos em produção (PLANÓLEO), a exemplo do que foi feito nos campos de Pampo e Barracuda em 2010 e visa a aproveitar a capacidade das instalações existentes, diminuir os custos de produção e agilizar a produção de novos volumes de óleo.

Campanha de perfuração exploratória na Bacia de Sergipe-Alagoas

O presidente da Petrobras apresentou a campanha de perfuração exploratória em águas profundas da Bacia de Sergipe-Alagoas no ano de 2010. Além da campanha exploratória, a Petrobras investirá R$ 1,5 bilhão em águas rasas e nos campos terrestres de Sergipe. Em exploração, serão investidos R$ 415 milhões.
 
A bacia de Sergipe-Alagoas produz em diferentes reservatórios há cerca de 50 anos. Apesar do grande número de poços perfurados na porção terrestre e mesmo na área de águas rasas, a seção de águas profundas permanece praticamente inexplorada.

Além de cumprir os compromissos assumidos nos contratos com a ANP, a campanha de 2010 tem como objetivo pesquisar diferentes alvos geológicos e em diferentes porções da Bacia, nos quais os geólogos e geofísicos identificaram boas oportunidades de perfuração. Os resultados obtidos, além da perspectiva de incorporação de volumes importantes de óleo e/ou gás na carteira da Petrobras, irão também contribuir para ampliar o conhecimento geológico e reduzir as incertezas para eventuais participações nos futuros leilões da ANP.

Em águas profundas, estão programadas as perfurações de oito poços, sendo dois no Campo de Piranema e seis situados em diferentes áreas dos blocos exploratórios denominados BM-SEAL-4, BM-SEAL-10 e BM-SEAL-11, todos operados pela Petrobras. Em águas rasas e nos campos terrestres estão programadas ações como a injeção de água e revitalização do Campo de Carmópolis (US$ 700 milhões), as ampliações de injeção de água e revitalização dos campos Siririzinho (US$ 260 milhões), Riachuelo (US$ 200 milhões), em novas zonas no Campo de Piranema (US$ 280 milhões), e na injeção de água e revitalização dos Campos de Camorim e Dourado (US$ 1 bilhão), ambos em águas rasas. Os projetos de águas rasas dependem da emissão da licença ambiental.

Na história da Petrobras, é a primeira campanha exploratória desta magnitude no nordeste brasileiro.

Sondas

SONDA SS-54

A sonda SS-54 está perfurando o poço 3-PRM-12, no Campo de Piranema, desde o início de 2010. Os estudos de geologia e geofísica identificaram uma potencial acumulação situada ao Norte do campo, que, em caso de sucesso do poço, poderá ser rapidamente colocada em produção para a FPSO Sevan Piranema. No final de março de 2010, a perfuração estará concluída e a avaliação dos resultados deverá ser iniciada para estimativa do potencial.

Os resultados preliminares obtidos durante a perfuração do poço confirmam a existência de bons e espessos reservatórios. O tipo de hidrocarboneto presente, entretanto, somente poderá ser confirmado após a perfuração e avaliação.

Após a perfuração e avaliação do 3-PRM-12, será necessário realizar manutenção obrigatória na sonda. Em meados de novembro de 2010, a SS-54 retornará à Sergipe para perfurar o segundo poço, o 7-PRM-13.

SONDA NS-09

Estão programadas para 2010 as perfurações de quatro poços com a NS-09, sendo três no bloco BM-SEAL-10 (100% Petrobras) e um no bloco BM-SEAL-4 (75% Petrobras, 25% ONGC).

A campanha desta sonda terá início em abril de 2010 com a perfuração do poço 1-SES-157, localizado a 3 km a sul do Campo de Piranema. Trata-se de projeto que, em caso de descoberta, poderá, após a realização de Plano de Avaliação, ser anexado ao campo e a sua produção poderá ser escoada para a FPSO Sevan Piranema.

Em seguida a sonda será deslocada para a perfuração de um poço no bloco BM-SEAL-4. Trata-se de projeto que vai pesquisar potenciais reservatórios existentes na área.

Logo após a perfuração do poço no Bloco BM-SEAL-4, a NS-09 retornará para sul do Campo de Piranema para a perfuração de mais dois poços, o Real e o Crasto. O cronograma aponta para finalização das operações da NS-09 em dezembro de 2010.

SONDA SS-75

Estão programadas em 2010 as perfurações de dois poços com a OCEAN COURAGE, sendo um no bloco BM-SEAL-11 (60% Petrobras, 40% IBV) e outro no bloco BM-SEAL-4 (75% Petrobras, 25% ONGC).

A campanha desta sonda será iniciada em maio de 2010, com a perfuração do poço 1-SES-158, localizado no bloco BM-SEAL-11. Trata-se do projeto de melhor potencial exploratório identificado pelos geólogos e geofísicos que trabalham na área.

Em seguida a sonda será deslocada para a perfuração do poço 1-SES-156, localizada no bloco BM-SEAL-4. Trata-se de típico projeto de nova fronteira, que vai pesquisar potenciais reservatórios que foram identificados em sísmica 3D.

O cronograma aponta para finalização das operações da SS-OCEAN COURAGE em meados de agosto de 2010.

Infra-estrutura

O convênio para execução de obras de implantação, pavimentação, drenagem e sinalização de rodovias sergipanas, no valor de R$ 35.789.044,27, foi assinado com o Departamento Estadual de Infra-estrutura Rodoviária do Estado de Sergipe (DER-SE) e a Secretaria de Estado de Infra-estrutura (SEINFRA), representando o Estado de Sergipe.

Serão restauradas as rodovias SE-160 (antiga SE-102), no trecho entre os municípios de Divina Pastora e Siriri (R$ 6.434.872,00); SE-343 (antiga SE-426), no trecho entre os municípios de Rosário do Catete e General Maynard, e a restauração do acesso ao município de Rosário do Catete, no trecho da BR-101 (R$ 4.100.000,00); SE-240, nos trechos, entre a SE-100 (Jatobá) e o acesso a Santo Amaro das Brotas, entre o acesso a Santo Amaro das Brotas e a SE-341 (Maruim), entre a SE-431 e a BR-101 (Maruim), no valor de R$ 17.000.000,00; construção de ponte e reconfiguração geométrica da SE-160, no trecho do entroncamento com a SE-245 e a entrada da cidade de Riachuelo (R$ 4.2000.000,00); rejuvenescimento da pavimentação, sinalização e iluminação da rodovia SE-100, no trecho entre os municípios de Barra dos Coqueiros e Pirambu (R$ 4.054.172,27).

Petrobras planeja investir US$ 131 milhões para ampliar a produção da Fafen Sergipe

A Fafen-SE, que produz 1.250 toneladas/dia de amônia e 1800 toneladas/dia de uréia, passará a produzir também sulfato de amônio para atendimento ao mercado do Nordeste. A nova unidade será instalada dentro da Fafen-SE, em Laranjeiras, e demandará investimentos de US$ 131 milhões. A implementação está prevista no Plano de Negócios 2009-2013 da Companhia.

A decisão de produzir sulfato de amônio na fábrica de fertilizantes de Sergipe foi tomada após estudos técnicos indicarem a viabilidade do negócio. O Nordeste é grande consumidor de sulfato de amônio, mas importa aproximadamente 70% das cerca de 400 mil toneladas/ano que usa.

O sulfato de amônio é produzido a partir da reação de amônia com ácido sulfúrico. Das 1.250 toneladas de amônia produzidas pela Fafen-Sergipe, 1.024 toneladas são transformadas em uréia e 226 toneladas são excedentes. Atualmente, o excedente de amônia que não é absorvido pelo mercado da região Nordeste é vendido a consumidores do Sudeste.

O objetivo da Petrobras é processar matérias-primas disponíveis no Nordeste para serem consumidas na própria região. O ácido sulfúrico – produzido a partir do enxofre – virá de refinarias da Petrobras instaladas no Nordeste.

O excedente de 226 toneladas/dia de amônia, combinadas com o ácido sulfúrico, podem produzir 303 mil toneladas/ano de sulfato de amônio. Isso representará um acréscimo importante para reduzir a dependência do Brasil da importação do produto. O sulfato de amônio é usado como fertilizante, por exemplo, em culturas de cana-de-açúcar, milho e algodão.

O assunto está na pauta em vários meios de comunicação do Brasil. Confira:
O Globo: “Petrobras deve investir R$ 1,5 bilhão em exploração em Sergipe” 
Estadão: “Petrobras investirá  R$ 1,5 bilhão em exploração em Sergipe” 
Correio de Sergipe: “Petrobras anuncia investimentos em Sergipe” 

 

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes