Inaugurado laboratório para estudo de combustíveis pesados e lubrificantes

17 de março de 2010 / 18:57 Tecnologia e Inovação Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

A Petrobras e o Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe/UFRJ) inauguraram, nesta quarta-feira (17/3), o Bunker I, banco de provas para ensaios de óleos combustíveis pesados e lubrificantes produzidos no Brasil.

A nova área de testes do Laboratório de Máquinas Térmicas (LMT) da Coppe e da Escola Politécnica da UFRJ tem como principal objetivo realizar estudos para melhorar o desempenho desses produtos em motores marítimos e reduzir seu potencial de emissões de gases e de material particulado.

A partir da implantação deste projeto, o Brasil passará a ter tecnologia de ponta para ensaio de motores marítimos, ampliando a pesquisa em combustíveis e assegurando a certificação de óleos lubrificantes, antes realizada somente no exteriorCom investimentos que somam R$ 12,6 milhões, sendo R$ 6,7 milhões na primeira fase e R$ 5,9 milhões na segunda fase, o laboratório será o primeiro do hemisfério sul para o desenvolvimento de produtos marítimos a contar com o sofisticado motor MAN-Innovator 4C, com potência de 500 KW.

Mais qualidade do combustível marítimo, menos impacto ambiental

Segundo o professor do Programa de Engenharia Mecânica da Coppe, Albino José Kalab Leiroz, coordenador do LMT, o objetivo é adequar o óleo lubrificante e combustível aos mais altos padrões internacionais, de forma a garantir a integridade, o melhor desempenho dos motores e os limites para emissões de gases poluentes estabelecidos pela Convenção Internacional para a Prevenção da Poluição por Navios (Marpol). “O resultado dos testes trará benefícios à indústria brasileira de petróleo, aumentando a competitividade do óleo produzido no país”, explica o professor.

Para o consultor Tadeu Cordeiro, do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes), na primeira fase, o projeto possibilitará desenvolver combustíveis atuais e também combustíveis alternativos (biocombustíveis), adequando-os às demandas do mercado consumidor e ao perfil de processamento de derivados nas refinarias.

A melhoria na qualidade do óleo também vai contribuir para a redução de emissão de gases, de material particulado e de CO2. Também faz parte das novas instalações do LMT um sistema de monitoramento que permite analisar com precisão as condições de toda a operação do motor, em particular o processo de queima de combustível. Outra novidade é a implantação de um analisador de gases que está entre os mais modernos do mundo. O equipamento poderá determinar o teor de gases poluentes cujos limites já se encontram estabelecidos pelas normas internacionais.

As novas instalações do Laboratório de Máquinas Térmicas reduzirão os custos de pesquisa da Petrobras, que até então precisava recorrer ao Instituto de Pesquisa da Noruega para testar seus produtos. “Com os testes sendo realizados na Coppe, a empresa vai obter os resultados e recomendações de forma bem mais rápida. Para se ter uma ideia, o motor MAN do Laboratório de Máquinas Térmicas possui três circuitos independentes para análise de óleo lubrificante, que permitem maior agilidade nos testes, reduzindo em 50% o tempo para o resultado final da pesquisa”, garante o professor do Programa de Engenharia Mecânica da Coppe, Carlos Rodrigues Belchior, que também é professor do Departamento de Engenharia Naval da UFRJ.

No período de realização dos ensaios, para aproveitar o potencial do motor MAN-Innovator 4C, que possui um gerador acoplado, os pesquisadores do LMT pretendem gerar energia, que contribuirá para abastecer parte da rede elétrica do Centro de Tecnologia da UFRJ.

Redes Temáticas

Este projeto faz parte da Rede Temática de Desenvolvimento Veicular, coordenado pelo Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes). O modelo das Redes Temáticas foi criado pela Petrobras em 2006, em parceria com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), voltado para o relacionamento com as universidades e institutos de pesquisas brasileiros. Hoje já há 50 redes operando em parceria com 80 universidades e instituições de pesquisas de todo o Brasil. Nas redes, as instituições desenvolvem pesquisas em temas estratégicos para o negócio da Petrobras e para a indústria brasileira de energia. Os investimentos possibilitam às instituições conveniadas a implantação de infraestrutura, aquisição de modernos equipamentos, criação de laboratórios de padrão mundial de excelência, capacitação de pesquisadores/recursos humanos e desenvolvimento de projetos de Pesquisa & Desenvolvimento nas áreas de interesse.

Confira a repercussão do assunto nos meios de comunicação:
Portos e Navios: “Coppe e Petrobras inauguram o Bunker I”
O Globo: “Petrobras investe na exportação de bunker para Europa”
Estadão: “Petrobras pesquisa biodiesel para navios”
Terra: “Coppe e Petrobras inauguram laboratório para óleos pesados”

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes