Petrobras lança mapa de biodiversidade amazônica na Internet

27 de abril de 2010 / 19:15 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Interessados em flora e fauna brasileiras vão encontrar, a partir dessa terça-feira (27/4), mais de 100 espécies nativas da Amazônia no site www.petrobras.com.br/biomapas . Essa pesquisa sobre os ecossistemas nos arredores da Província Petrolífera de Urucu – base de produção da Petrobras -, foi realizada pela Companhia, em parceria com alguns centros de pesquisa da região. Depois de ter originado um livro (“Biodiversidade na Província Petrolífera de Urucu”) em 2008, o material foi ampliado pelo Projeto Biomapas e transformado agora em fonte de consulta na Internet. São encontradas curiosidades sobre espécies nativas vegetais como goiaba de anta, caroba, breu, Pará-pará, e animais, como piaba e estalador-do-norte.

A visualização e pesquisa de forma georreferenciada, através do Google Maps (e também do Google Earth), é o principal destaque do site. Vídeos e fotos sobre expedições realizadas nos últimos anos por biólogos, engenheiros florestais e de coletores locais, entre outros especialistas ambientais, estão disponíveis no YouTube, Flickr e Picasa.

Província Petrolífera de Urucu: proteção ao ecossistema

A exploração e produção de petróleo e gás na Província Petrolífera de Urucu, descoberta em 1986, no coração da Amazônia, é um dos melhores exemplos de que é possível conciliar desenvolvimento econômico com preservação ambiental. Instalada na região desde a sua criação, em 1953, a Petrobras desenvolveu um modelo de produção sofisticado, concebido por técnicos e cientistas de várias áreas, cuja principal preocupação foi garantir a convivência entre a atividade econômica e o meio ambiente. Esse modelo único, idealizado pela empresa no interior da maior floresta do mundo é, hoje, referência internacional.

Conciliar o desenvolvimento da produção de gás e óleo leve de Urucu com a biodiversidade amazônica é o maior desafio da Petrobras na região. Uma das ações mais importantes foi o rearranjo das instalações, com o objetivo de reduzir as áreas ocupadas pela unidade. As áreas desocupadas foram reflorestadas, devolvendo à floresta o máximo de seu ambiente natural. No local, já funciona um viveiro com mais 170 mil mudas de 90 espécies nativas.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes