Mobilização de fornecedores em São Paulo

12 de maio de 2010 / 09:05 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Fiesp

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, participou, nesta terça-feira (11/5), de evento organizado pela Fiesp – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo para cerca de 400 empresários de todo Estado de São Paulo. Para viabilizar o Plano de Negócios até 2013, a meta da Petrobras é suprir a demanda com pelo menos 65% das encomendas de bens e serviços atendidas pela indústria nacional. Em valores, essas compras poderão alcançar algo em torno de U$ 20 bilhões por ano em encomendas à cadeia de fornecedores.

Gabrielli frisou que o plano de investimentos da Companhia estabelece perspectivas reais de crescimento da atividade no Estado para os próximos anos. “São Paulo está acordando para a importância das diversas atividades da indústria do petróleo que vão além do refino. E a liderança da Fiesp na mobilização da cadeia regional de fornecedores é fundamental para viabilizar, no prazo previsto, os projetos e as metas de investimentos”.

Ele explicou que, ao optar por uma política industrial orientada pela demanda, a Petrobras está atuando fortemente na mobilização da cadeia de fornecedores da atividade. Não apenas os grandes fornecedores diretos, mas no desdobramento das transações comerciais, de modo a ampliar e incluir empresas de todos os portes e vários segmentos. Ele citou como exemplo as fábricas de tintas, item necessário em plataformas, navios, tanques, que tem demanda específica com um tamanho importante.

O Portal de Oportunidades de Negócios incorporado desde dezembro ao site do Prominp – Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (www.prominp.com.br) permite essa integração entre os diversos atores da cadeia de suprimento e dá visibilidade imediata e projetada para as demandas do setor de petróleo e gás.

Gabrielli lembrou que outro gargalo para a viabilização do Plano de Negócios da Companhia é a formação de mão-de-obra. Ele citou o Prominp, que tem a missão de capacitar 207 mil profissionais de níveis básico, médio técnico e superior até 2013. Desse contingente, 20 mil pessoas serão qualificadas em São Paulo em profissões necessárias às atividades do setor.

Outro palestrante do evento, o gerente geral da Unidade de Negócio da Bacia de Santos da Petrobras, José Luiz Marcusso, mostrou que as oportunidades são inúmeras para a indústria paulista e não datam de hoje. Segundo o gerente, a Bacia de Santos – a maior do país em extensão territorial, chegando a 550 mil km² de área e em atividade desde a década de 70 – já comemora resultados e prevê iniciar a operação de importantes projetos nos próximos meses. “Até o fim do ano, iniciaremos a produção comercial de Tupi e concluiremos as obras do Terminal de Caraguatatuba, onde funcionará uma Unidade de Tratamento de Gás. Com isso, passaremos a ofertar mais 20 milhões de metros cúbicos de gás por dia para o sistema Rio- São Paulo”, disse Marcusso. De acordo com o gerente, passos como estes mostram que a Bacia de Santos já comprovou que é uma oportunidade totalmente real para a indústria nacional e, sobretudo, paulista.

Em seguida, o coordenador executivo do Prominp, José Renato de Almeida, falou aos cerca de 300 empresários presentes sobre as principais atuações do programa para tornar a indústria nacional mais competitiva, ampliando suas oportunidades de participação nos negócios que serão gerados no setor de petróleo e gás nos próximos anos. Tomando como ponto de partida o Plano de Negócios da Petrobras, o coordenador mostrou como cifras bilionárias destinadas a investimentos no Brasil impactarão os fornecedores, nos vários níveis da cadeia produtiva. “O maior desafio do Brasil na era de prosperidade do pré-sal não é recurso financeiro, mas sim a capacidade de suprimentos da cadeia. É preciso que os fornecedores consigam ver com antecedência qual será a demanda do setor para que possam se preparar e ampliar sua capacidade produtiva a tempo”, ressaltou José Renato.

Mobilização em todo o Estado – O diretor de Energia da Fiesp, Carlos Cavalcanti, anunciou para o empresariado que o CIESP – Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, em parceria com a Petrobras e o Prominp, vai realizar eventos nas 11 macrorregiões paulistas visando mobilizar e apresentar às indústrias paulistas os benefícios e oportunidades de negócios no setor de petróleo e gás.

Disse ainda que, paralelamente a esses eventos, a Petrobras vai realizar treinamento para os funcionários das 43 Diretorias Regionais do CIESP, para capacitá-los a orientar as indústrias paulistas em como atender os requisitos de cadastramento necessários para se tornarem fornecedoras da Petrobras. Cavalcanti formalizou para o público o apoio incondicional da Fiesp e do presidente da entidade, Paulo Skaf, à mobilização da cadeia de fornecedores para o setor de petróleo e gás, de forma a ampliar significativamente a participação da indústria local no suprimento da demanda para a atividade.

Veja também em:
Estadão: “Petrobras diz que crise na UE não deve afetar expansão” 
Correio Braziliense: “Gabrielli diz que crise na Europa não deve afetar plano de capitalização da Petrobras”

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes