Carta ao Correio Braziliense: obras do Comperj

20 de maio de 2010 / 16:43 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Sobre a matéria “Chuva de R$ 600 milhões”  (19/5), a Petrobras esclarece que tem utilizado em seus contratos metodologia inédita para retirar dos preços das obras os riscos de possíveis paralisações devido a chuvas. Na prática comum de mercado este impacto é diluído nos preços e pago mesmo que as chuvas não ocorram. A Petrobras ressarce apenas os dias efetivamente parados.

A Petrobras realiza rígida fiscalização para garantir a continuidade da obra e o cumprimento do cronograma. Estações meteorológicas na região monitoram o regime de chuvas e a qualidade do ar desde 2007. Os volumes de chuvas apurados entre setembro e dezembro de 2008 e ao longo de 2009 foram muito acima da média histórica.

Em obras de terraplenagem, o controle da umidade do solo é fundamental para a qualidade dos trabalhos, sendo que não apenas o volume de chuva interfere na execução dos serviços, como também sua distribuição ao longo do período trabalhado.

Apesar das chuvas, já foram executados cerca de 70% da obra e já existem várias áreas concluídas, o que permite o início das construções das Unidades de Refino atendendo ao cronograma do Comperj.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes