Usina de Biodiesel de Candeias completa dois anos

29 de julho de 2010 / 17:00 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Em dois anos de operação, que serão completados nesta quinta-feira (29/7), a Usina de Biodiesel de Candeias, na Bahia, teve sua capacidade de produção praticamente quadruplicada. Com a conclusão das obras de duplicação, na qual estão sendo investidos R$ 66 milhões, a unidade atingirá capacidade de 217,2 milhões de litros/ano ainda no segundo semestre. Esta é a segunda etapa da ampliação. A primeira foi concluída em novembro de 2009, quando passou dos iniciais 57 milhões de litros/ano para 108,6 milhões de litros/ano.

O investimento na ampliação da unidade industrial é resultado da análise de oportunidade em função da posição logística da usina, o que facilita o recebimento de insumos e a distribuição do produto para os grandes mercados. “Há dois anos, a Petrobras entrou na produção de biodiesel por meio desta usina. Crescemos. Com a nova capacidade vamos demandar ainda mais dos mercados agrícolas regionais”, comenta George Luis Mendes, gerente da usina, que é a primeira das três unidades próprias de produção de biodiesel da Petrobras Biocombustível e acumula a produção de 81,3 milhões de litros.

O diretor de Suprimento Agrícola, Janio Rosa, destaca os resultados de produção de oleaginosas pela agricultura familiar no Estado da Bahia. “Contamos hoje com 26 mil agricultores familiares contratados para o plantio de mamona e girassol em uma área de 95 mil hectares. Nossa expectativa é ampliar a participação da produção regional no nosso programa de suprimento agrícola. Para isso, estamos ao longo dos últimos dois anos desenvolvendo ações voltadas para a estruturação da cadeia de produção de oleaginosas nas regiões onde atuamos”, informa o diretor.

Para o presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, a resposta do estado na produção de oleaginosas reflete os resultados do programa desenvolvido junto à agricultura familiar que garante aos produtores contratados sementes certificadas e assistência técnica agrícola, além de firmar contratos, com prazo de cinco anos, que asseguram a compra da produção e preço mínimo. “Atuamos na diversificação de culturas, considerando as peculiaridades regionais, com respeito às experiências dos agricultores familiares e transferência de tecnologia e conhecimento”, completa Rossetto.

Tecnologia agrícola – A Petrobras Biocombustível também vem constituindo redes de pesquisa e investe em tecnologia para aumentar a produtividade por hectare e a produção de oleaginosas. Com este foco, mantém convênio com a Embrapa e está estruturando projetos de pesquisa junto a institutos estaduais e universidades para gerar tecnologias para o cultivo da mamona e do girassol, entre outras oleaginosas, pela agricultura familiar. Para a mamona, que é uma cultura cujo manejo é conhecido da agricultura familiar, o objetivo das pesquisas é aumentar a produtividade. Para o girassol, o foco é a adaptação ao semiárido.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes