P-33: segurança nas unidades marítimas da Petrobras

10 de agosto de 2010 / 18:15 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Petrobras esclarece sobre a segurança de suas unidades marítimas
A Petrobras esclarece que exerce suas atividades de Exploração e Produção com austera política de Segurança, Meio Ambiente e Saúde. Impõe, também, rigor técnico nos aspectos relacionados aos equipamentos e à capacitação de pessoal.
Além disso, os procedimentos adotados pela empresa atendem integralmente às exigências feitas pelos órgãos reguladores de nossas operações marítimas, como a Marinha do Brasil, ANP, IBAMA, IBP, entidades classificadoras, entre outros. Isso faz parte da cultura da empresa, construída ao longo de sua história. Essa política se aplica a todos os segmentos e áreas onde a Petrobras atua.
Ocorrência na Unidade de Produção P-33 marítimas
Em relação às informações veiculadas sobre as condições de segurança da plataforma P-33, a  Petrobras nega a ocorrência de explosão a bordo da unidade de produção P-33.  Informa que no último dia 14 de julho, durante atividades de manutenção de equipamentos, ocorreu uma falha operacional que resultou na avaria de um duto de ar quente, em um local sem a exposição de pessoas.Apesar da falha operacional não houve  nenhum risco de vazamento de gás natural ou petróleo.
As plataformas da Petrobras são complexos industriais projetados com diversos sistemas redundantes de proteção que limitam os efeitos de eventuais ocorrências indesejáveis em suas rotinas operacionais.
No dia 19 de julho, a Marinha embarcou nessa unidade e realizou uma vistoria.
No dia 3 de agosto, a Superintendência Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (SRT-RJ), junto com dois representantes do Sindipetro NF também embarcaram na P-33 e em decorrência desse embarque foi realizada uma reunião no Rio de Janeiro no dia 5 de agosto. Nessa reunião a Petrobras apresentou um documento, respaldado em laudo emitido por profissionais habilitados e certificados pelo Sistema Próprio de Inspeção de Equipamentos e pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, atestando que o equipamento interditado (filtro de óleo lubrificante) estava de acordo com as normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego.
Após essa reunião a SRT-RJ determinou a interdição de equipamento da unidade de produção P-33.
No dia 6 de agosto, amparada por laudo técnico a Petrobras obteve da 2ª Vara de Trabalho de Macaé uma liminar suspendendo a interdição de equipamento da P-33, por considerar que não havia motivos para isso, uma vez que todas as medidas de segurança foram tomadas.

Em relação às informações veiculadas sobre as condições de segurança da P-33, a Petrobras nega a ocorrência de explosão a bordo dessa unidade de produção.  Informa que no último dia 14 de julho, durante atividades de manutenção de equipamentos, ocorreu uma falha operacional que resultou na avaria de um duto de ar quente, em um local sem a exposição de pessoas. Apesar da avaria, não houve nenhum risco de vazamento de gás natural ou petróleo.

As plataformas da Petrobras são complexos industriais projetados com diversos sistemas redundantes de proteção que limitam os efeitos de eventuais ocorrências indesejáveis em suas rotinas operacionais.

No dia 19 de julho, a Marinha embarcou nessa unidade e realizou uma vistoria.

No dia 3 de agosto, a Superintendência Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (SRT-RJ), junto com dois representantes do Sindipetro NF também embarcaram na P-33 e em decorrência desse embarque foi realizada uma reunião no Rio de Janeiro no dia 5 de agosto. Nessa reunião a Petrobras apresentou um documento, respaldado em laudo emitido por profissionais habilitados e certificados pelo Sistema Próprio de Inspeção de Equipamentos e pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, atestando que o equipamento interditado (filtro de óleo lubrificante) estava de acordo com as normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego. Após essa reunião a SRT-RJ determinou a interdição de equipamento da unidade de produção P-33.

No dia 6 de agosto, amparada por laudo técnico a Petrobras obteve da 2ª Vara de Trabalho de Macaé uma liminar suspendendo a interdição de equipamento da P-33, por considerar que não havia motivos para isso, uma vez que todas as medidas de segurança foram tomadas.

A Petrobras esclarece ainda que exerce suas atividades de Exploração e Produção com austera política de Segurança, Meio Ambiente e Saúde. Impõe, também, rigor técnico nos aspectos relacionados aos equipamentos e à capacitação de pessoal.

Além disso, os procedimentos adotados pela empresa atendem integralmente às exigências feitas pelos órgãos reguladores de nossas operações marítimas, como a Marinha do Brasil, ANP, IBAMA, IBP, entidades classificadoras, entre outros. Isso faz parte da cultura da empresa, construída ao longo de sua história. Essa política se aplica a todos os segmentos e áreas onde a Petrobras atua.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes