Reduc: carta ao jornal O Globo

25 de agosto de 2010 / 08:38 Esclarecimentos Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Em relação à matéria “Reduc vai ter que investir em ações ambientais” publicada nesta quarta-feira (25/8) em O Globo, a Petrobras lamenta que o jornal tenha ignorado totalmente as informações prestadas pela Companhia.

A Petrobras informou ao Globo que a Reduc possui três licenças de operação, todas são válidas e contemplam todas as instalações da refinaria. Desde o final de 2009 a refinaria está conduzindo o processo de renovação das licenças (todas válidas como já dito) junto ao Inea (Instituto Estadual do Ambiente). Portanto, não é verdadeira a afirmação publicada de que “as quatro licenças da Reduc venceram”. O veículo, no entanto, preferiu não publicar os dados da Petrobras, porque desqualificariam a matéria.

Ao contrário do que foi publicado na matéria, a Reduc não possui “lagoa de decantação de resíduos”. A área junto à margem direita do Rio Iguaçu é a antiga Bacia de Resfriamento que era utilizada para resfriamento da água de refrigeração dos equipamentos. Há alguns anos, toda a água de refrigeração circula por um sistema fechado.

A refinaria possui estação de tratamento de efluentes industriais, que opera de acordo com a legislação ambiental em vigor. Estudos constataram que o esgoto doméstico é a maior causa de poluição da Baía da Guanabara. O Rio Sarapuí, que não recebe efluentes da Reduc, é apontado como a principal fonte de contaminantes.

A Petrobras também informou que realiza regularmente auditorias internas, contratadas pela própria empresa. De modo que a auditoria em andamento na Reduc é uma atividade de rotina realizada pela Petrobras como parte dos procedimentos para a melhoria contínua de seus processos.

A Petrobras reitera que a Reduc tem desenvolvido várias ações para diminuir as emissões de poluentes e melhorar a qualidade do ar da região, como o Programa de Detecção e Reparo de Vazamentos de Hidrocarbonetos, que contribui para reduzir a formação do ozônio. Entre 2005 e 2009, a Petrobras investiu R$ 650 milhões em projetos de adequação ambiental na refinaria. Foram realizados 33 projetos voltados para redução de emissões atmosféricas, tratamento de efluentes hídricos e de resíduos. Essas medidas resultaram na redução de 59% das emissões de hidrocarbonetos e 30% das emissões de óxidos de enxofre, em relação aos níveis de 2004.

A Reduc também participa, junto com empresas do pólo químico da região e do Inea, da elaboração do Plano Gestor da Qualidade do ar do Polo Petroquímico, que estuda a qualidade do ar na região. Esse estudo concluiu que as emissões provenientes de veículos automotores contribuem com a maior parcela de poluentes emitidos na região, com exceção dos óxidos de enxofre, sendo determinantes na formação da qualidade do ar. Desta forma, a redução das concentrações de ozônio na região do Pólo Petroquímico do Rio de Janeiro depende de ações de grande escala, relacionadas a políticas públicas de uso de combustíveis, tecnologias de veículos e soluções de transporte e mobilidade urbana.

Por fim, a Reduc tem investido ao longo dos últimos anos na adequação e busca contínua de melhor desempenho ambiental de suas instalações, respeitando as normas em vigor.

Leia abaixo as respostas da Petrobras enviadas ao jornal O Globo nesta terça-feira (24/8)

Pergunta: Sou repórter da editoria de Economia do GLOBO e envio este email solicitando uma resposta da Reduc sobre assunto da matéria que publicaremos amanhã. Hoje nós demos que a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) está sob auditoria da secretaria de Ambiente e está, também em fase de aprovação de licenças ambientais. Nessa linha, eu gostaria de saber: Qual é a real motivação da auditoria por que passa a Reduc? Há prazos para ela terminar?

Resposta: A Reduc não passa por nenhuma auditoria da Secretaria de Meio Ambiente. Está em fase de conclusão uma auditoria interna, contratada pela Petrobras, que faz parte dos procedimentos realizados pela Companhia para a melhoria contínua de seus processos.

Pergunta: A Reduc possui licenças ambientais? Quantas? (Recebemos denúncias de que a refinaria estaria funcionando desde maio sem qualquer licença porque teria descumprido normas estabelecidas por uma licença anterior, que estipulava, entre outras coisas, que fosse construída uma estação de tratamento de esgotos industriais…)

Resposta: Todas as 3 licenças de operação da Reduc estão válidas e contemplam todas as suas instalações. Desde o final de 2009 a refinaria está conduzindo o processo de renovação das mesmas junto ao INEA.

Pergunta: Essa estação de tratamento existe?

Resposta: A Reduc possui uma estação de tratamento de efluentes industriais que opera normalmente.

Pergunta:Também recebemos denúncias de que a Reduc estaria estocando resíduos de alta periculosidade para o meio ambiente. Isso é verdade?

Resposta: Todos os resíduos da refinaria são segregados e tratados de acordo com a legislação ambiental em vigor.

Pergunta: Há projetos para redução dos passivos ambientais da refinaria?

Resposta: Existem vários projetos para melhoria do desempenho ambiental em andamento na Reduc, incluindo uma nova estação de tratamento de efluentes industriais, todos em acordo com o órgão ambiental.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes