Contratos: carta e resposta ao jornal O Globo

15 de novembro de 2010 / 09:15 Respostas à Imprensa Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Veja abaixo a pergunta feita pelo jornal O Globo e a resposta enviada pela Petrobras para a matéria publicada nesta segunda-feira (15/11): Petrobras fecha contrato com marido de diretora. Leia também a carta enviada ao veículo.

Pergunta: Estou com a suíte da matéria da Folha de SP sobre os 42 contratos firmados entre a empresa C.Foster e a Petrobras (empresa do marido da diretora de gás e energia da Petrobras, Maria das Graças Foster) e, conforme contato telefônico, seguem algumas dúvidas:
- Gostaria de saber o que a Petrobras fala sobre o possível favorecimento à C.Foster, após a entrada de Mª das Graças na diretoria de gás e energia;
-Os contratos não tiveram licitação, isso não reforçaria a denúncia de favorecimento?
-O que a diretora Mª das Graças diz sobre a denúncia da Folha?

Resposta: A respeito de matéria publicada hoje (14/11) na imprensa, a Petrobras esclarece que não houve favorecimento à empresa C. Foster e que não houve qualquer irregularidade nas pequenas compras de componentes (e não contratações, como publicado). A Petrobras reafirma que 20 compras foram realizadas por dispensa de licitação, pois os valores foram abaixo de R$ 10 mil. As demais foram feitas por meio de processo licitatório, conforme estabelece o Decreto nº 2.745/98 e o Manual de Procedimentos Contratuais da Petrobras. A C. Foster não foi a vencedora em mais de 90% das licitações da Petrobras de que participou. Portanto, nunca houve favorecimento à empresa. De 2005 a 2010, as compras somaram R$614 mil, contra os cerca de R$50 milhões que a Petrobras adquiriu no período de outras empresas que fornecem os mesmos tipos de materiais da C. Foster. As compras foram feitas por quatro áreas da Companhia, nenhuma delas vinculada à Diretoria de Gás e Energia. Tratam-se, portanto, de compras realizadas em estrita conformidade com as normas – tanto com as que regulam os procedimentos de aquisição de equipamentos e serviços da Petrobras quanto com as que versam sobre a conduta ética dos administradores da Companhia.

A mesma respostafoi enviada neste domingo (14/11) para a rádio CBN.

Leia também o esclarecimento enviado ao Jornal do Commercio nesta segunda (16/11): Em relação à matéria sob o título “Mulheres ganham força no tabuleiro de Dilma“, a Petrobras esclarece que a diretora de Gás e Energia, Maria das Gracas Foster, nunca foi presidente da Sulgas como afirma a matéria”.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes