Brasil deve seguir exemplo da Noruega, diz gerente do Pré-Sal

3 de novembro de 2011 / 16:48 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

A Noruega, recém apontada como país de maior IDH (índice de desenvolvimento humano) do mundo, é um exemplo de boa administração dos recursos advindos da exploração e produção de petróleo. A afirmação foi feita pelo gerente executivo do Pré-Sal, José Miranda Formigli Filho, durante a “Conferência Brasil 2022: Ordem e Progresso?”, promovida pela Revista The Economist, no Hotel Unique, em São Paulo.

“A Noruega tem o maior IDH e é um dos países mais verdes do mundo. Mas não tolhe a sua produção de petróleo porque tem bandeiras ecológicas fortes, pelo contrário. Sabe que o petróleo gera riqueza e gera conhecimento, que será utilizado pelas gerações vindouras”, avaliou o gerente durante mesa-redonda. O país tem sido inspiração para o Brasil no desenvolvimento da indústria nacional e hoje é um dos que mais exporta tecnologia para países produtores de petróleo.

Sobre o Plano de Negócios da Petrobras, Formigli ressaltou que este é robusto e arrojado. “Mas foi feito com alta financiabilidade, levou-se em conta o preço do barril entre US$ 80 e US$ 95, abaixo dos preços atuais”. Nos projetos do Pré-Sal, continuou o gerente, “a viabilidade econômica é bastante atraente: conseguimos aprovar nossos projetos na faixa de equilíbrio entre US$ 35 a US$ 45 o barril. Isso nos dá uma boa margem em relação ao preço atual”, afirmou.

Ao falar do potencial da indústria nacional, Formigli ressaltou que o Brasil é exemplo internacional de qualidade em equipamentos submarinos, tais como árvore de natal molhada (equipamento que controla vazão e pressão de poço submarino). “Os fornecedores brasileiros competem internacionalmente”, ressaltou, explicando que a Petrobras também conta com tecnologia estrangeira. “Diversas empresas do mundo estão instalando centros de tecnologia no Brasil”. Para Formigli, há três motivos para os investimentos estrangeiros na indústria de petróleo e gás nacional: existe volume de trabalho que justifica esses aportes, o horizonte para desenvolver o Pré-Sal é longo e a qualidade do capital humano das universidades é atraente para as empresas.

Também participaram do debate David Zylbersztajn, da DZ Negócios com Energia, e José Goldemberg, professor da Universidade de São Paulo (USP). O evento é promovido pela revista inglesa The Economist.

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes