Bacia de Campos comemora 35 anos pronta para os desafios do futuro

15 de agosto de 2012 / 12:12 Informes Enviar por e-mail Enviar por e-mail Imprimir

A+ A-

Responsável por mais de 80% da produção de petróleo no Brasil, a Bacia de Campos chega aos 35 anos renovada e preparada para ampliar ainda mais sua produção, que hoje já supera 1,7 milhão de barris de óleo e 28,5 milhões de metros cúbicos de gás por dia. O potencial dessa província petrolífera e sua importância para a Petrobras e a economia brasileira foram reforçados na última terça-feira (14/08), durante comemoração realizada na base da Companhia, em Macaé (RJ).

Durante o evento, os diretores de Exploração e Produção, José Miranda Formigli Filho, e de Engenharia, Tecnologia e Materiais, José Antônio de Figueiredo, destacaram o papel da Bacia de Campos no desenvolvimento tecnológico e estratégico da Companhia, além do potencial de produção dos campos e a infraestrutura já instalada na região, que contribui diretamente para as operações.

“A descoberta de petróleo na Bacia de Campos representou um grande desafio para a Petrobras e o Brasil”, relembrou Formigli, ao mencionar que tratava-se de um novo cenário e que requeria recursos tecnológicos que possibilitassem extrair petróleo, na época, a pouco mais de 100 metros de profundidade.

“Com o início da produção em 13 de agosto de 1977, no Campo de Enchova, a Bacia de Campos começou uma história de progresso, tanto econômico quanto de desenvolvimento de tecnologias de suporte às nossas atividades. E as perspectivas para o futuro são ainda mais animadoras. Com o Programa de Aumento da Eficiência Operacional da Bacia de Campos (Proef), alcançaremos índices operacionais bastante expressivos. Ainda há áreas a serem exploradas, são novas fronteiras que, com conhecimento, tecnologia e o empenho de sempre dos profissionais que trabalham aqui, sem dúvida levarão a Bacia de Campos a continuar sendo um celeiro importantíssimo para a Petrobras e para o Brasil. Como prova de sua juventude, temos uma nova unidade recém chegada à Bacia de Campos, o FPSO Cidade de Anchieta, com capacidade de produzir 100 mil barris por dia, que acrescentará, até o final de agosto, óleo novo à curva de produção da Companhia”, acrescentou.

Figueiredo reforçou a importância dos programas e projetos que visam à produtividade da Bacia de Campos. Pontuou ainda a influência da Petrobras nas regiões onde ela atua e as iniciativas apoiadas pela Companhia e que não estão diretamente ligadas à sua atividade-fim: “As operações da Petrobras refletem na vida das comunidades do seu entorno, principalmente na economia. Temos um compromisso empresarial de produzir petróleo, mas não nos restringimos a isso. Por meio de nossas ações, contribuímos ainda em projetos sociais, de formação profissional, entre outros”.

Para o gerente geral da UO-BC, Joelson Falcão Mendes, aos 35 anos, a Bacia de Campos se mostra ainda mais desafiadora e promissora. “Somos mundialmente reconhecidos como uma grande província. Temos muitas oportunidades e contamos com nossa expertise para evoluir e construir um futuro de grandes realizações. Ao longo destas três décadas e meia, a região se transformou num celeiro intelectual e tecnológico, onde são aplicados mecanismos e programas que servem de exemplo para as demais unidades da Companhia”, afirmou.

Além dos diretores e gerentes gerais, participaram do evento os gerentes executivos Erardo Gomes Barbosa Filho (Sul e Sudeste), Marcos Isaac Assayag (Cenpes), Solange da Silva Guedes (Engenharia de Produção), José Luis Roque (Construção de Poços Marítimos) e Cristina Pinho (Serviços).

Homenagem

Em seu resgate histórico, o diretor Formigli reforçou o empenho dos profissionais que trabalharam na exploração e produção da província no início de sua história e os descreveu como “desbravadores”.

Representando todos os desbravadores que fizeram a história da Bacia de Campos, a Petrobras homenageou o engenheiro Zephyrino Lavenère Machado Filho, falecido no último dia 31 de julho, batizando o Porto de Imbetiba, que agora passa a se chamar Porto Engenheiro Zephyrino Lavenère Machado Filho. O engenheiro foi coordenador da equipe que extraiu o primeiro óleo comercial da Bacia de Campos e participou ativamente da evolução e desenvolvimento da engenharia submarina, que viabilizou a produção de petróleo em águas profundas.

Sobre a Bacia de Campos

A Bacia de Campos é uma bacia sedimentar com cerca de 100 mil km², do Espírito Santo (próximo à cidade de Vitória) até Arraial do Cabo (RJ), abrangendo 13 municípios do litoral fluminense. Formada há 100 milhões de anos, a partir do processo de separação dos continentes sul-americano e africano, esta região acabou se tornando um “aterro natural” formado por sedimentos despejados no Oceano Atlântico ao longo do tempo que, sob variados níveis de pressão e temperatura, entrariam em processo de decomposição, originando as reservas de petróleo e gás natural, dentro de rochas porosas no subsolo marinho.

Em 1974, a Petrobras encontrou acúmulo de óleo num reservatório marinho que nomeou de Campo de Garoupa. Três anos depois, no dia 13 de agosto de 1977, a 124 metros de lâmina d’água, era iniciada a produção de petróleo na Bacia de Campos. O poço escolhido foi o 3-EN-1-RJS, no Campo de Enchova (terceiro campo descoberto, depois de Garoupa e Namorado), com vazão superior a 10 mil barris diários de óleo, através do Sistema de Produção Antecipada instalado na plataforma Sedco 135-D.

O Sistema de Produção Antecipada de Enchova (SPA) representou para a Petrobras o primeiro marco tecnológico da produção de petróleo em mar, num trabalho em direção a águas cada vez mais profundas. Ao tornar possível o início da produção de óleo enquanto eram construídas as plataformas fixas, que depois seriam instaladas constituindo os sistemas definitivos, o SPA representou grande agilidade, flexibilidade operacional e economia para as operações no mar, já que reduziu o tempo gasto entre a descoberta de petróleo e o início da produção comercial.

Leia também:

Deixe seu comentário

Prezado leitor,

Lembramos que não serão aceitos comentários que tenham conteúdo ou termos ofensivos, nem que sejam desassociados do tema do post. Dúvidas sobre temas diversos devem ser encaminhadas ao Fale Conosco do site.

 caracteres restantes