Arquivado em 11.09.2012

Presidente da Petrobras detalha Plano de Negócios em audiência pública no Senado Federal

11 de setembro de 2012 / 22:34

A presidente da Petrobras, Maria das Graças Silva Foster, apresentou nesta terça-feira (11/09) o Plano de Negócios e Gestão 2012-2016 da Companhia em audiência pública conjunta das comissões de Assuntos Econômicos (CAE) e de Serviços de Infraestrutura (CI), no Senado Federal, em Brasília.

Do total de US$ 236,5 bilhões de investimentos previstos para o período, a prioridade será da área de Exploração e Produção, para a qual serão destinados US$ 131,6 bilhões. Os investimentos em Abastecimento somarão US$ 71,6 bilhões; em Gás e Energia eles serão de US$ 13,5 bilhões. Outros US$ 10,7 bilhões serão destinados aos negócios na área Internacional; US$ 3,3 bilhões à Distribuição e US$ 2,5 bilhões aos Biocombustíveis.

Graça Foster destacou o crescimento do mercado de derivados no Brasil nos últimos anos, bem acima da média mundial. “Entre 2000 e 2011, a demanda por gasolina no mundo cresceu 15%, enquanto no Brasil o crescimento foi de 49%”, ressaltou. No mesmo período, o consumo mundial de diesel teve um incremento de 29%; no Brasil, o aumento da demanda foi de 43%.

Ao mesmo tempo, entre 2000 e 2011 a Petrobras registrou crescimento de reservas e da produção de óleo muito acima da média mundial. A produção de óleo cresceu 73% no Brasil, contra 12% no mundo; a de gás natural teve um aumento de 61% no Brasil, contra 36% no mundo; as reservas de óleo brasileiras no período aumentaram em 73%, as mundiais em 38%.

Entre 2005 e 2010, mais de 50% das descobertas do mundo foram em águas profundas, sendo que o Brasil responde por 63% dessas descobertas. “Em 2030, o Brasil deverá ser o país com maior crescimento de produção entre os países que não fazem parte da OPEP”, disse Graça Foster.

Segundo a presidente, entre 2005 e agosto deste ano, a Petrobras notificou à ANP 63 declarações de descobertas na área do pré-sal. “No ano passado, o índice de sucesso que a Petrobras obteve no pré-sal foi de 94%, um índice esplêndido”, comemorou.

As reservas provadas da Petrobras somam atualmente 15,71 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), que somados aos volumes potencialmente recuperáveis de 15,8 bilhões de boe levam a Companhia a um horizonte potencial de reservas de 31,5 bilhões de barris de óleo equivalente.

“A prioridade absoluta da Petrobras é aumentar a produção de óleo, com investimentos pesados nas atividades de Exploração e Produção”, ressaltou a presidente. Segundo ela, as perspectivas positivas para o setor de energia e os resultados históricos obtidos pela empresa embasam a decisão de concentrar investimentos em E&P.

Graça Foster informou aos senadores o início da produção, no último dia 10, do FPSO Cidade de Anchieta. A plataforma, localizada no campo de Baleia Azul, na porção capixaba da Bacia de Campos, produzirá petróleo de alto valor comercial (28 graus API) e tem capacidade para processar, diariamente, 100 mil barris de petróleo e 3,5 milhões m3 de gás. A produção inicial está estimada em 20 mil barris por dia (bpd). Outros nove poços (seis produtores e três injetores de água) serão interligados à plataforma. A previsão é de que o pico de produção, de 100 mil barris por dia, seja atingido em fevereiro de 2013.

Graça destacou ainda o Programa de Aumento da Eficiência Operacional da Bacia de Campos (Proef), já em execução, que tem como objetivos melhorar os níveis de eficiência operacional e de integridade dos sistemas de produção e aumentar a confiabilidade de entrega da curva de óleo prevista no Plano de Negócios e Gestão.

A presidente falou também aos senadores sobre os investimentos em execução e previstos na expansão do parque de refino, com vistas a equilibrar oferta e demanda de derivados no Brasil. Entre obras em andamento e projetos em avaliação, os investimentos somam US$ 71,6 bilhões até 2016. “Sem as novas refinarias, o Brasil chegaria a 2030 importando 35% dos derivados consumidos no País”, disse a presidente.

2 comentários Ler mais

Petrobras inicia produção do FPSO Cidade de Anchieta, no pré-sal da Bacia de Campos

/ 10:24

A Petrobras iniciou nesta segunda-feira (10/09) a produção de petróleo do poço 7-BAZ-02-ESS, por meio do navio-plataforma Cidade de Anchieta. A plataforma está localizada no campo de Baleia Azul, no complexo denominado Parque das Baleias, na porção capixaba da Bacia de Campos. Essa plataforma, do tipo FPSO (unidade flutuante que produz, armazena e exporta óleo e gás), destina-se exclusivamente à produção da camada pré-sal dos campos de Baleia Azul, Jubarte e Pirambu, localizados no Parque das Baleias, nos quais a Petrobras detém 100% de participação.

O FPSO Cidade de Anchieta produzirá petróleo de alto valor comercial (28 graus API). Afretado à empresa SBM Services Inc., essa plataforma tem capacidade para processar, diariamente, 100 mil barris de petróleo e 3,5 milhões m3 de gás. Instalado em águas de 1.221 metros de profundidade e  a 80 km da costa, o FPSO escoará o gás produzido pelo Gasoduto Sul-Norte Capixaba até a Unidade de Tratamento de Gás de Cacimbas, no litoral capixaba.

A produção inicial do poço 7-BAZ-02-ESS está estimada em 20 mil barris por dia (bpd). Outros nove poços (seis produtores e três injetores de água) serão interligados à plataforma. A previsão é que o pico de produção, de 100 mil barris por dia, seja atingido em fevereiro de 2013.

O FPSO Cidade de Anchieta foi convertido no estaleiro Keppel, em Cingapura, e integra o projeto de desenvolvimento do pré-sal do Parque das Baleias.

Dados Técnicos

Comprimento: 344 metros
Largura: 51 metros
Altura: 28 metros
Peso total: 273.000 toneladas
Poços produtores: 7
Poços injetores: 3

Adicionar comentário Ler mais

Página 1 de 11