Destaques Internacionais

22/06/2009

ANÁLISE DA MIDIA INTERNACIONAL

Assim como nas semanas anteriores, a exploração da camada pré-sal volta a ser destaque na imprensa internacional. O etanol brasileiro e o bom resultado das ações da Petrobras também foram citados por veículos estrangeiros.

EXPLORAÇÃO DA CAMADA PRÉ-SAL

O projeto de lei que o presidente Lula pretende enviar ao Congresso para aumentar o controle do governo sobre as reservas de petróleo na costa brasileira é destaque na imprensa internacional. Também continua repercutindo o fato de que o governo brasileiro pretende criar uma nova empresa estatal para administrar os interesses do país na produção de petróleo nas áreas do pré-sal. Segundo a agência de notícias italianas Ansa, algumas empresas estrangeiras de petróleo estão reagindo mal à proposta. A agência informa que Shell, Exxon e Repsol se reuniram para discutir o tema.

MERCADO

A edição desta semana da Barron´s, revista de notícias de investimentos do grupo Wall Street Journal, cita a Petrobras em matéria na qual afirma que os investidores podem estar subestimando a perspectiva das ações das petrolíferas a longo prazo. A publicação compara sua lista à da Standard & Poor’s, dizendo que as ações das petrolíferas nos últimos cinco meses tiveram retorno de 13,3% contra os 11,7% da S&P. Segundo a reportagem, a Petrobras merece quase todo o crédito disto, com um retorno de 63%. Já a Oil Daily citou o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, em nota sobre a prevalência do etanol no mercado brasileiro de combustíveis.

A Bloomberg dá destaque ao projeto de lei que o presidente Lula pretende enviar ao Congresso para “aumentar o controle do governo sobre as reservas de petróleo na costa brasileira”. Segundo a matéria, o projeto de lei seria enviado ao Congresso antes do recesso de julho. A reportagem afirma que o governo pretende criar uma nova empresa estatal para administrar os interesses do país na produção de petróleo nas áreas do pré-sal.

Algumas das grandes empresas estrangeiras de petróleo estão reagindo mal à proposta do governo brasileiro, segundo a agência de notícias italiana Ansa. A agência informa em despacho que as petrolíferas Shell, Exxon e Repsol se reuniram para discutir a possível criação da estatal brasileira com quem teriam que compartilhar o produto de suas prospecções. Segundo a matéria, as multinacionais também rechaçam a intenção do governo brasileiro de favorecer a Petrobras na exploração da Bacia de Santos.

A Oil Daily no sábado cita o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, em nota sobre a prevalência do etanol no mercado brasileiro de combustíveis. Segundo a publicação, Gabrielli disse no Ethanol Summit que a tecnologia de bicombustível faz com que se compre mais álcool.

A edição desta semana da Barron´s, revista de notícias de investimentos do grupo Wall Street Journal, cita a Petrobras em matéria na qual afirma que os investidores podem estar subestimando a perspectiva das ações das petrolíferas a longo prazo. A publicação compara sua lista à da Standard & Poor’s, dizendo que as ações das petrolíferas nos últimos 5 meses tiveram retorno de 13,3% contra os 11,7% da S&P. Segundo a reportagem, a Petrobras merece quase todo o crédito disto, com um retorno de 63%.

As agência de notícias Xinhua (chinesa) e a Agence France Press citam a Petrobras em notas referentes à declaração de Rafael Correa, presidente do Equador, de que expulsará as petrolíferas estrangeiras que colocam demandas internacionais contra o país.