Destaques Internacionais 04/12/2009

Pesquisa de substância para reduzir impacto ambiental do petróleo e preço do gás natural para indústria petroquímica

A Bloomberg e a Xinhua publicaram matérias informando que a Petrobras pode reduzir o preço do gás natural que vende para os fabricantes de produtos químicos que usam o combustível como matéria-prima após a queda dos custos internacionais. A reportagem da Bloomberg foi baseada em matéria original da Folha de São Paulo. A da Xinhua cita Maria das Graças Foster, diretora de Gás e Energia da Petrobras, como fonte das informações.

Petrobras pode cortar preços de gás para a indústria petroquímica, diz a Folha

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=newsarchive&sid=abB8G6NVOEt0

Brasil estuda preço diferenciado de gás natural para indústria química.

http://spanish.china.org.cn/international/txt/2009-12/04/content_19007173.htm

A Xinhua distribuiu despacho informando que a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desenvolveu e está produzindo em uma usina piloto um detergente biodegradável a partir de microorganismos originários de poços de petróleo. A substância ajudaria a reduzir o impacto ambiental de petróleo derramado acidentalmente nas perfurações. Cita a Petrobras como financiadora da pesquisa na UFRJ. 

Produz-se no Brasil detergente que degrada petróleo

http://spanish.china.org.cn/international/txt/2009-12/04/content_19007300.htm

O jornal argentino La Nación publicou matéria sobre o convênio da Petrobras, YPF e Ancap para exploração de hidrocarbonetos no Uruguai.

YPF, Petrobras e Ancap assinam convênio de exploração no Uruguai

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-775869659-1648828279&key=D|139846|S|0|x|775869659

A Petrobras foi citada em matéria da revista The Economist desta semana sobre “empresas híbridas”, parte estatais e parte privadas. A reportagem cita a Petrobras, entre outras empresas híbridas, lembrando que a companhia tem mais sondas de águas profundas do que qualquer outra petrolífera do mundo.

A ascensão da empresa híbrida

http://www.economist.com/businessfinance/displaystory.cfm?story_id=15011307

A Upstream impressa publicou matéria sobre a declaração de José Sergio Gabrielli de que as provisões para gastos no atual plano estratégico da empresa de cinco anos serão ainda mais altas quando a versão do ano que vem for publicada, devido às enormes descobertas de petróleo no pré-sal. Gabrielli teria dito que ainda “é muito cedo para dizer um valor. Qualquer coisa que possa surgir agora é mera especulação” ao ser questionado se o valor para os próximos cinco anos estaria perto de US$200 bilhões, informa a Upstream.

A Upstream impressa revela também que a Petrobras reduziu o número de possíveis locais para o terceiro terminal de regaseificação de gás natural liquefeito e prevê que o projeto estará em operação em 2013. Segundo a matéria, as opções incluem São Francisco do Sul, Aracruz, Ipojuca e uma extensão do terminal da Baía de Guanabara. Maria das Graças Foster, diretora de Gás e Energia da Petrobras, teria informado que o “Cenpes está avaliando, do ponto de vista econômico, qual é a melhor solução para receber o gás proveniente dos campos do pré-sal.” A Upstream revela que a Petrobras tem planos de construir um quarto terminal, planejado para 2014. 

A Upstream impressa informa ainda que a conclusão do gasoduto Urucu-Coari-Manaus levará a Petrobras a atividades de exploração e produção na Bacia de Solimões, uma região promissora para alguns geólogos do petróleo.