Destaques Internacionais 08/12/2009

Adesão da Repsol e Galp à  Petrobras e BG para unidade de GNLE entre os destaques

A Upstream e a Agência EFE publicaram notícias sobre a adesão das empresas Repsol e Galp Energia à joint venture formada pela Petrobras e pelo BG Group para desenvolver um projeto inédito na Bacia de Santos, o de construir uma unidade de liquefação de gás natural embarcada (GNLE). A participação da estatal brasileira no projeto é de 51,1%, enquanto que as demais empresas ficarão com 16,3% cada uma. O jornal português Diário de Notícias e o site da Offshore Magazine também deram a notícia.

Dupla vai participar do projeto de GNL flutuante

http://www.upstreamonline.com/live/article200947.ece

Repsol e Galp se associam à Petrobras em projeto de plataforma de gás natural.

http://www.google.com/hostednews/epa/article/ALeqM5iQjiRx3SpyQEoFLN9SfKyqo0U5Lg

A Dow Jones afirmou que a Petrobras manterá seus investimentos no exterior no mesmo patamar dos valores absolutos atuais, apesar da necessidade maior de investir na exploração de petróleo pré-sal. A nota, reproduzida no site do Wall Street Journal, cita o diretor da Área Internacional da Companhia, Jorge Zelada, em matéria da Agência Estado.

Petrobras do Brasil: investimentos estrangeiros vão manter o patamar de 2009

http://online.wsj.com/article/BT-CO-20091207-710489.html

A BNamericas.com publicou nota afirmando que a Petrobras só está esperando um sinal verde do Ibama para começar os testes em Tiro e Sidon, na Bacia de Santos.

Petrobras se prepara para testes em Tiro e Sidon

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-777646309-1651947929&key=D|139846|S|0|x|777646309

No site do Wall Street Journal, matéria informa que a Petrobras vai lançar um poço para teste de longo prazo em Guará em maio de 2010, segundo a Agência Estado. Cita o gerente para exploração da Bacia de Santos, José Luiz Marcusso.

No site para investdores Guru Focus, matéria sobre os dez maiores investimentos em ações do fundo de George Soros destaca a Petrobras, cujas ações representam 7,72% do total investido.