Destaques Internacionais

Produção da Petrobras fora do Brasil, investimentos em Cuba e CPI estão na pauta internacional

A Reuters e a agência espanhola EFE distribuíram despacho no fim de semana dizendo que a produção nacional da Petrobras caiu em 3.2% em junho. A produção no exterior, no entanto, cresceu em 10.000 barris por dia, incluindo gás liquefeito, em relação ao mês anterior. A Upstream on-line distribuiu a mesma nota no domingo.

Petrobras diz que a produção de petróleo nacional caiu em 3.2% em junho

http://www.reuters.com/article/rbssEnergyNews/idUSN1750496420090717

Produção de petróleo da Petrobras cai em 3.2% em junho

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-697271633-1521212727&key=D|139846|S|0|x|697271633

Produção da Petrobras caiu em junho

http://www.upstreamonline.com/live/article183765.ece

A agência chinesa Xinhua distribuiu matéria sobre o desprezo de boa parte dos políticos brasileiros pela opinião pública e pela imprensa. A agência lembra que quando o Senado voltar do recesso terá a CPI da Petrobras em mãos.

Políticos brasileiros desprezam consequências de escândalos

http://www.spanish.xinhuanet.com/spanish/2009-07/20/content_908677.htm

A mesma agência chinesa publicou neste domingo despacho dizendo que a Petrobras aposta no petróleo cubano e abriu um escritório em Havana. A notícia já havia sido distribuída por outras agências no dia 16.

Brasil aposta no petróleo cubano

http://spanish.china.org.cn/international/txt/2009-07/19/content_18162348.htm

O website China Daily informa que a CNOOC e a Sinopec concordaram em comprar ações de um bloco de petróleo angolano da americana Marathon Oil. As estatais chinesas continuam investindo no exterior. A Petrobras concorreu na disputa pela gigante americana.

CNOOC e a Sinopec devem comprar participação no petróleo angolano

http://www.chinadaily.com.cn/china/2009-07/18/content_8445100.htm

O jornal The Peninsula , do Qatar, traz artigo produzido pela equipe do jornal Financial Times sobre a disputa da Perenco com o governo do Equador. A matéria cita que Petrobras, Repsol e Andes Petroleum chegaram a um acordo.

Na India, o jornal The Hindu Business Line traz matéria sobre aquisição de participação em bloco da Marathon Oil em Angola pelas chinesas CNOOC e a Sinopec. Diz que Petrobras e a estatal indiana ONGC participaram da licitação.

Também na Índia, o jornal The Hindu Business Line traz análise sobre oportunidades e riscos de investimento em fundos de América Latina. Cita analistas que têm papéis da Petrobras e as oportunidades na empresa.

Na Turquia, o jornal Today’s Zaman traz análise sobre segurança energética e cita a influência e mudança do modelo provocado pela expansão de empresas de petróleo como a Petrobras, PetroChina, Gazprom e outras.

Nos Estados Unidos, o jornal em espanhol El Nuevo Herald publica análise da Bloomberg prevendo queda de lucros de empresas brasileiras como a Petrobras no segundo trimestre.

A queda de produção em junho saiu em sites como o do Wall Street Journal e também em jornais como o La Prensa, do Panamá, e o venezuelano Latin American Herald Tribune.

Em Honduras, o jornal La Prensa destaca a Petrobras no ranking das melhores empresas na América Latina. Diz que a empresa brasileira bateu recorde de tempo em que ficou no topo da lista das companhias.

Na Argentina, o jornal Clarin de sábado traz nota com foto do CEO da Petrobras Argentina, Decio Oddone, sobre nota da empresa em resposta aos rumores de vendas de ativos no país.

Já o jornal Cronista de hoje traz artigo do correspondente do Financial Times no Brasil dizendo que a crise internacional dá ao país a chance de mostrar que pode ser uma potência mundial. Abre com a declaração do presidente dos EUA, Barack Obama, na reunião do G-20 em Londres. Cita a Petrobras como umas das maiores empresas do mundo no setor.

No Paraguai, o jornal La Nacion traz matéria com o diretor paraguaio de Itaipu, Carlos Mateo Balmelli, defendendo que o país aceite a nova oferta do Brasil na negociação sobre a hidrelétrica. Diz que ele “foi desde o começo o propulsor da idéia que o Paraguai possa vender energia diretamente ao mercado brasileiro, não apenas através da Petrobras, como fez até agora”.

Já o jornal La Prensa de domingo traz artigo dizendo que, apesar dos esforços da YPFB para acelerar a formação de novas sociedades anônimas mistas e fechar convênios de estudos, esses contratos só serão realidade em 2010.Cita diferentes negociações e um acordo marco com a Petrobras para os blocos de Cedro e Corohuaicho.

Já o jornal El Diario de domingo traz matéria dizendo que a YPFB não está preparada para receber investimento estrangeiro. Cita o presidente da YPFB, Carlos Villegas, dizendo que a empresa deve seguir o exemplo de outras estatais como a Petrobras.

Na edição de domingo do La Prensa, análise sobre a questão dos custos recuperáveis das petroleiras. Diz que o custo mais baixo de todas as empresas é o da Petrobras.