Destaques Internacionais – 16/11/2010

Metas da Petrobras são o destaque desta terça-feira na imprensa internacional

O The Guardian noticia que a Petrobras anseia ser a maior produtora de petróleo do mundo. O veículo confirma que a meta de produção da empresa (5,4 milhões de barris de petróleo e gás por dia até 2015), se concretizada, seria a maior entre companhias com ações em bolsa no mundo. A matéria avalia que a descoberta do pré-sal elevou o Brasil à posição de uma das lideranças mundiais de energia.

Petrobras anseia ser a maior produtora de petróleo do mundo

Jornais de Hong Kong anunciam que a Petrobras considera a possibilidade de fazer uma segunda listagem de ações no país. A medida pode se dar sob a forma de certificados de depósitos, os Hong Kong Depositary Receipts (HDRs), reproduzem Bloomberg e Reuters.

Banco Macro, Bradesco, Petrobras: Previsão Latino-americana

Revista especializada Ethanol Producer Magazine diz que a quantidade de bagaço de cana-de-açúcar disponível no Brasil pode ser um incentivo suficiente para inspirar uma colaboração global com o setor de etanol brasileiro. Cita recentes acordos da Petrobras com a KL Energy Corp. e com a Novozymes para desenvolvimento de novas tecnologias de produção de etanol a partir do bagaço.

No jornal americano USA Today, coluna do repórter de finanças Matt Krantz comenta as oportunidades para quem quer investir no Brasil, citando a Petrobras como uma das mais importantes empresas do país.

Agência Bloomberg alerta para empresas latino-americanas cujas ações podem ter mudanças de preço fora do comum hoje. Diz que a Petrobras estaria considerando a hipótese de fazer uma nova admissão à cotação ou uma emissão de recibo de depósito em Hong Kong, segundo o jornal local Ming Pao, em mandarim, que cita fonte não identificada. Nota no portal da agência Reuters para a África também reproduz a notícia.

Em Angola, jornal O País comenta anúncio da Petrobras sobre nova descoberta no poço Cabaça Sudeste-2.

No Uruguai, notinha no diário El País informa que a Petrobras registrou um crescimento de 10% de sua rentabilidade nos nove primeiros meses de 2009, com aumento de 11% nos investimentos no mesmo período.