Destaques Internacionais – 17/8/2010

Repercussão da fala do presidente Gabrielli sobre a capitalização é o destaque desta terça

De acordo com notícia do Upstream, a Petrobras não prevê atraso para a oferta pública de ações planejada para setembro. O presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, afirma que o plano de capitalização não é de curto prazo, mas de médio a longo prazo.

Oferta de ações da Petrobras segue no caminho

OsterDowJones e o The Wall Street Journal informam que o Real fechou em alta em comparação ao mercado norte-americano, baseado em previsões de estabilidade econômica interna e depois que a Petrobras confirmou que efetuará sua oferta pública de ações em setembro. As publicações destacam que o presidente da estatal brasileira, José Sergio Gabrielli, confirmou a oferta pública de ações para setembro, acalmando as especulações locais de que a venda seria deixada para depois da eleição presidencial de outubro.

Real fecha em alta baseado em previsões locais e oferta de ações da Petrobras

Ações brasileiras fecham em alta baseado em previsões locais

Real fecha em alta baseado em previsões locais e oferta da Petrobras

A Reuters informa que, respondendo às críticas de que se desviou de atividades mais lucrativas, a Petrobras defendeu, ontem, os investimentos planejados para suas refinarias como cruciais para reduzir suas importações de combustível. O veículo diz que o plano de investir US$ 224 bilhões em cinco anos, lançado em junho, ampliou o percentual de investimentos em atividades de refino de petróleo, disparando críticas de que a influência política estava levando a empresa a investir em atividades de baixo perfil lucrativo.

Petrobras defende decisão de investir em refino

De acordo com a Reuters, o governo brasileiro anunciará, no dia 23 de agosto, o preço do barril de petróleo que será utilizado no plano de capitalização e na venda de ações da Petrobras. A informação é do ministro de Minas e Energia, Marcio Zimmermann.

Brasil determinará preço do petróleo para plano de capitalização da Petrobras no dia 23 de agosto

Segurança de lucros e leis favoráveis aos investimentos estão estimulando um crescimento inédito nas atividades mineradora e petroleira na Colômbia, segundo informa a AP Spanish. Terceiro país latino americano em produção de petróleo, atrás apenas do Brasil e da Venezuela, a Colômbia está no caminho para produzir mais de um milhão de barris de petróleo por dia até 2012, o dobro de sua produção em 2006. O veículo afirma que a Petrobras está entre as companhias que operam ou exploram nos estados de Meta e Guaviare.

Auge petroleiro e de mineração atraem investidores à Colômbia

No site do The Wall Street Journal, matéria da Dow Jones sobre entrevista do presidente Gabrielli publicada pela agência Estado. Segundo a matéria, ele que a empresa está em uma fase de interrupções planejadas como se esperava, mas que ele admitiu que algumas plataformas estavam realmente feias. E acrescentou “nunca colocaríamos nossos trabalhadores em risco”.

Matéria sobre o tema foi distribuída por outras agências, como a chinesa Xinhua, dizendo que o presidente da Petrobras admitiu que existem problemas menores de conservação em algumas das plataformas da empresa na Bacia de Campos, mas que ele também disse que os problemas detectados não ameaçam as vidas dos trabalhadores e nem colocam em risco operações de perfuração. Ele acrescentou que essas plataformas esperam pelo processo de manutenção previsto para outubro.

Matéria distribuída pela agência EFE e publicada em sites de língua espanhola, como o do diário da Espanha ADN informa que Petrobras admite problemas de conservação, mas não de segurança, diz o título. “As plataformas estavam feias, estavam com problemas e necessitando algumas obras de conservação. Admito que há problemas de conservação, mas jamais colocaríamos nossos trabalhadores e nossos sistemas em risco”, disse o presidente Gabrielli, segundo o veículo.

O jornal digital chileno El Mostrador traz matéria sobre estudo para proteção de baleias, em projeto da Petrobras Chile e da Fundação Biomar.  O  acordo é classificado como “histórico”.

Na Bolívia, o jornal La Prensa traz matéria dizendo que descoberta de gás no Brasil põe em risco a metade das exportações bolivianas. A descoberta é da OGX e jornal compara com descobertas da Petrobras.

Na Espanha, o site de notícias econômicas AmericaEconomica.com traz matéria sobre o assunto com o título “Brasil a ponto de reduzir sua importação de gás natural da Bolívia”

Na Argentina, o jornal Cronista diz que os fiscais do ministro de Comércio Interior, Guillermo Moreno, começam fazer inspeções a partir de hoje nos postos de gasolina de Shell, Esso, YPF e Petrobras.

O site do People’s Daily em espanhol diz que a prospecção e exploração de petróleo e gás no Brasil receberá investimentos de US$ 400 bilhões nos próximos 10 anos, segundo estudo da ONIP. Cita Agenda de Competitividade da organização, que prevê posicionar empresas brasileiras em condições de aproveitar aumento da demanda, como existe na política de aumento do uso de componentes nacionais empregada pela Petrobras. Cita o presidente Gabrielli dizendo que a proporção de componentes nacionais está acima de 65%.