Destaques Internacionais – 23/8/2010

Análise de livro sobre empresas petrolíferas estatais é o destaque desta segunda

Nos EUA, USA Today traz análise sobre o livro “Seizing Power: The Grab for Global Oil Wealth”, com mudanças no poder de grandes empresas privadas para estatais no setor de petróleo no mundo. Diz que o autor Robert Slater admira a Petrobras. Informa que as ações da empresa então entre as estrangeiras mais amplamente negociadas na bolsa de Nova York e que acionistas estrangeiros detem 60% das ações no mercado, sinal de confiança.

No jornal Diário de Notícias, matéria sobre aumento do comércio entre Brasil e África, diz que o país começa a pagar a dívida com o continente africano. Fala das visitas do presidente Lula à África e de novas oportunidades para empresas, como a Petrobras.

No Jornal de Angola de hoje, matéria diz que o processo de capitalização da Petrobras começa com um roadshow a ser iniciado em 7 de setembro.

O Upstream e a Bloomberg informam que a japonesa Modec e sua parceira brasileira Schalin para o fornecimento de um navio de produção, armazenagem e descarga à Petrobras. A unidade operará em Guará, no bloco BM-S-9. A Petrobras opera o bloco, enquanto a BG detém 30% e a Repsol outros 25%. As publicações destacam que esse é o primeiro contrato em parceria entre a Modec e a Schalin.

No Canadá, o jornal Chatham Daily News traz matéria dizendo que a Pemex pode importar petróleo para melhorar a rentabilidade de suas refinarias. A matéria, da Reuters, cita o fato de a Petrobras que se tornou exportadora ainda continuar importando petróleo que mais de adequa a suas refinarias.

No site da Business Week, matéria diz que a Mitsui e a Schahin ganharam uma licitação da Petrobras.

Na Bolívia, o jornal Los Tiempos traz matéria dizendo que o gerente executivo de Petrobras Internacional América Latina, Luis Carlos Vilar Amigo, disse que o gás boliviano continua sendo importante para o Brasil.

No site do jornal americano em espanhol El Nuevo Herald, matéria com base nas declarações diz que, apesar do descobrimento de gás recente no Brasil, o produto boliviano continua sendo importante para o Brasil, mesmo depois do fim do contrato entre os dois países, em 2019.

Na Argentina, o jornal La Nacion traz artigo de opinião dizendo que o Brasil é um país progressista, com uma esquerda coerente, embora a direita na Argentina destaque políticas mais conservadoras. Faz comparações com os argentinos, como a s diferenças do “neoliberalismo da Era Cardoso”, pois 55,6% das ações da Petrobras continuam sendo do Estado.