Destaques Internacionais 02/09/2009

Novo modelo regulatório do pré-sal continua com grande destaque na imprensa estrangeira 

As grandes agências internacionais continuaram dando grande destaque à repercussão do anúncio do novo marco regulatório para a exploração de petróleo na área do pré-sal. As agências divulgaram informações vindas da Petrobras de que os valores da proposta de capitalização da empresa ainda não estão definidos. A mídia também acompanhou de perto o aumento no preço das ações da empresa, logo depois da grande queda ocorrida na segunda-feira, e especulou-se sobre as possibilidades de aprovação da proposta no Congresso. Outro destaque foi a decisão do Credit Suisse de aumentar a classificação das ações da empresa, um dia depois do anúncio de que a Petrobras vai ser a única operadora nas áreas do pré-sal. De forma geral, a cobertura da mídia sobre as mudanças no marco regulatório foi bastante positiva nesta terça-feira.

A Reuters, em inglês e espanhol, e a Upstream publicaram matérias sobre o valor da capitalização da Petrobras. Segundo a agência, José Sergio Gabrielli, presidente da Companhia, teria dito que qualquer valor estimado do plano do governo para capitalização da petrolífera seria “especulação sem fundamento”.

Presidente da Petrobras diz que valor da capitalização é desconhecido

http://www.reuters.com/article/rbssIntegratedOilGas/idUSN0149497620090901

Petrobras diz que valor da capitalização é desconhecido

http://lta.reuters.com/article/businessNews/idLTASIE58019Y20090901

Valor da capitalização da Petrobras é desconhecido

http://www.upstreamonline.com/live/article186971.ece

A Bloomberg deu destaque à declaração do diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, de que a proposta venda de ações e transferência de direitos de exploração de petróleo do governo à Petrobras deveria acontecer em uma única fase. A matéria também aborda a queda das ações comuns e preferenciais da empresa e informa que José Sergio Gabrielli, presidente da Petrobras, teria dito que a baixa das ações não tem nada a ver com o plano do pré-sal e sim com o declínio nos preços do petróleo e a China. Em outro despacho sobre o assunto, a Bloomberg informa que, de acordo com Almir Barbassa, diretor financeiro da Petrobras, o aumento de capital da Petrobras pode ser definido em três meses, antes da aprovação da nova lei do petróleo, quando o governo determinar a quanto petróleo a empresa terá direito.

Capitalização da Petrobras e transferência de direitos deve ocorrer em uma fase

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=aOHvBrLuL9_A

Aumento de capital da Petrobras pode ser definido antes da lei do petróleo

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=aPSfiPJCS7os

A Reuters distribuiu despacho sobre o otimismo dos analistas em relação à Petrobras. A matéria informa que corretora Itaú e o banco Credit Suisse elevaram a recomendação para as ações da empresa para acima da média do mercado, enquanto o Banco do Brasil, a corretora Agora e a Banif Securities mantiveram sua recomendação de compra. A Reuters revela que o Credit Suisse também elevou as estimativas dos resultados da Petrobras, considerada pelo banco suíço como uma das empresas mais promissoras do mundo no setor petroleiro. O Wall Street Journal, a BNamericas e a Forbes também publicaram despacho sobre a elevação da classificação da Petrobras pelo Credit Suisse.

O otimismo pela Petrobras prevalece entre os analistas

http://lta.reuters.com/article/businessNews/idLTASIE5801XE20090901

Petrobras aumentou de neutro para acima da média no Credit Suisse

http://online.wsj.com/article/BT-CO-20090901-706737.html

Antes do sinal: ações da Petrobras aumentam

http://www.forbes.com/feeds/ap/2009/09/01/business-us-petrobras-ahead-of-the-bell_6836427.html

RECOMENDAÇÃO – C.Suisse sobe B.do Brasil, Bradesco, Vale, Petrobras

http://lta.reuters.com/article/businessNews/idLTASIE5800S820090901

Credit Suisse eleva Petrobras de neutro para acima da média

http://www.bnamericas.com/news/oilandgas/Credit_Suisse_raises_Petrobras_from_neutral_to_outperform

A EFE publicou matéria dizendo que o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, descartou a idéia de que as novas regras propostas pelo governo para exploração da área do pré-sal afugentem as petrolíferas estrangeiras. Segundo a matéria, Gabrielli teria afirmado que as empresas estão preocupadas com o acesso às novas reservas, sem se importar se terão que fazê-lo como concessionárias, operadoras ou prestadoras de serviço. O despacho da agência de notícias chinesa Xinhua destaca que as novas regras propostas pelo Presidente Lula não excluem a participação de empresas estrangeiras, de acordo com declaração do presidente da Petrobras.

Petrobras descarta que as novas regras afugentem petroleiras estrangeiras

http://www.google.com/hostednews/epa/article/ALeqM5i0hgB_MgeYFvfCeOtwiHW4fZFOHA

Empresas estrangeiras ainda podem investir nas reservas do pré-sal

http://news.xinhuanet.com/english/2009-09/02/content_11983438.htm

A BNamericas publicou matéria sobre a declaração de José Sergio Gabrielli, presidente da Petrobras, de que a empresa continuará a revisar seu programa de investimento anualmente independentemente dos futuros planos para o pré-sal.

Subsal não fará com que a Petrobras revise investimento – CEO

http://www.bnamericas.com/news/oilandgas/Subsalt_won*t_make_Petrobras_revise_investment_-_CEO

A Reuters publicou despacho dizendo que a proposta de reforma da lei petroleira pode atrasar o desenvolvimento das reservas de petróleo em águas profundas brasileiras, porém não impediria a exploração das mesmas. A matéria informa que os contratos com petrolíferas estrangeiras não correm risco de serem quebrados, conforme garantiu a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff.

Plano petroleiro do Brasil pode atrasar a exploração no subsal

http://lta.reuters.com/article/businessNews/idLTASIE5801WI20090901

A Bloomberg distribuiu despacho dizendo que uma fonte informou que o governo brasileiro está considerando um plano para permitir que trabalhadores usem o FGTS para comprar ações da Petrobras, ajudando assim a financiar o plano da empresa de desenvolvimento do pré-sal. A iniciativa seria parte de uma iniciativa mais abrangente para aumentar o controle estatal no setor petrolífero. Segundo a Reuters, a assessoria de imprensa do presidente Lula negou o comentário e a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, declarou que acionistas minoritários da Petrobras não poderão usar o FGTS para comprar ações em uma oferta para acionistas existentes.

Brasil pode permitir que trabalhadores comprem ações da Petrobras, diz oficial

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=newsarchive&sid=ae8d2LwSozo4                      

As ações da Petrobras reagiram no mercado ontem, embora o Ibovespa tenha registrado queda pelo quarto dia consecutivo, segundo informaram a Dow Jones, a Reuters, a Bloomberg e a EFE.

Mercado brasileiro fecha mais baixo, seguindo Wall Street

http://online.wsj.com/article/BT-CO-20090901-713590.html

Ações brasileiras em 4ª queda consecutiva, Real afrouxa

http://www.reuters.com/article/usDollarRpt/idUSN0126708220090901

Bovespa cai em avaliações; Bolsa do México bate retirada

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=20601086&sid=apXzkDWhew0Q

A bolsa de São Paulo fecha com perda de 1,19%

http://www.google.com/hostednews/epa/article/ALeqM5ijgytoxuiK-0FDNEcwLdFQEdCjoA

A EFE distribuiu despacho sobre a resistência da oposição à proposta de Lula para o pré-sal. Segundo a matéria, a oposição teria anunciado que pretende obstruir a pauta parlamentar em protesto à decisão do Governo de outorgar-lhe caráter de urgência, após 14 meses de discussões para redigir o novo marco regulatório.

A oposição promete ir contra a proposta de Lula para o pré-sal              

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-722130502-1564270509&key=D|139846|S|0|x|722130502

A Galp considera positiva a decisão de o governo colocar apenas a Petrobras como exploradora do pré-sal segundo matéria publicada no site da RTP, com informações da Agência Lusa.

Presidente da Galp defende Petrobras como única operadora dos blocos do pré-sal

http://tv1.rtp.pt/noticias/?t=Presidente-da-Galp-defende-Petrobras-como-unica-operadora-dos-blocos-do-pre-sal.rtp&article=275512&visual=3&layout=10&tm=6

A AFP publicou despacho dizendo que o Brasil poderia se tornar um gigante na cena petrolífera mundial de acordo com estimativas de analistas. A matéria dá detalhes da proposta do novo marco regulatório e sua repercussão.

Brasil aposta grande na cena petroleira mundial

http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5hDCWaIPe673tzPGItLCQBXqa8OJA

A BNamericas publicou matéria sobre a Petro-Sal. Segundo a matéria, a empresa será monitorada pela ANP.

Petro-Sal será monitorada pela ANP, segundo relatórios

http://www.bnamericas.com/news/oilandgas/Petro-Sal_to_be_monitored_by_regulator_ANP,_reports_say

O jornal francês Le Fígaro publicou apenas nesta quarta-feira uma matéria sobre a apresentação da proposta do novo marco regulatório. A matéria dá destaque à criação de um “Fundo Social” com os dividendos das reservas do pré-sal anunciada pelo presidente Lula e à reafirmação do papel da Petrobras em detrimento das multinacionais estrangeiras. A matéria dá detalhes da proposta e sua repercussão.

Brasil se lança em exploração de petróleo em águas profundas

http://www.lefigaro.fr/matieres-premieres/2009/09/02/04012-20090902ARTFIG00136-le-bresil-se-lance-dans-le-forage-petrolier-en-eaux-profondes-.php?mode=imprimer

Também na França, o jornal de economia Les Echos traz matéria sobre as propostas do governo, destacando que a nova legislação reforça o papel do Estado, cita a ministra Dilma Rousseff, “o Estado reencontrou seu papel”. Descreve as mudanças, diz que a emissão para aumentar capital é  “complicada”, aborda a criação de um fundo social. Em box, destaca a importância política das propostas, diz que o sucesso ou fracasso serão decisivos sobre a candidatura da ministra Dilma.

Nos EUA, o jornal Miami Herald destaca a informação de que a Petrobras perdeu US$ 7 bilhões de valor em um dia com a decisão do governo brasileiro de buscar assegurar que as riquezas do petróleo fiquem nas mãos do povo brasileiro. A matéria é a que foi distribuída ontem de manhã pela Bloomberg.

Na Argentina, o jornal Clarin traz matéria sobre as críticas ao projeto do presidente Lula para o setor de petróleo. Diz que em setores privados, há queixas contra o conteúdo estatizante do novo modelo, e no governo, a resposta é de que nenhuma multinacional deixará de participar, pois o filão é muito grande.

Já o jornal Pagina 12 diz que o presidente Lula reforça o papel do Estado e que a direita critica, abre com manchetes dos “diários conservadores”, que dizem: “Regras estatizantes para o pré-sal assustam o mercado”, “Operadora única preocupa o setor privado”, cita a “oposição de centro-direita” no Congresso.

Na China, a versão em inglês do jornal People’s Daily publica matéria com título “Empresas estrangeiras ainda podem investir nas reservas do pré-sal do Brasil”. Traz informações com base na entrevista do presidente Gabrielli.

O jornal Latin American Herald Tribune, em inglês e editado na Venezuela, abre matéria com título “Petrobras: novas leis do petróleo não vão amedrontar empresas estrangeiras”. Produzida pela agência EFE, cita também as informações da entrevista do presidente Gabrielli.

No Chile, a revista e site AmericaEconomia aborda os desafios do pré-sal, cita analistas de mercados ouvidos pela Reuters que estão otimistas, e informações da entrevista do presidente Gabrielli na entrevista.

Na Índia, o jornal Hindustan Times destaca a informação de que o governo brasileiro quer usar os recursos do petróleo para erradicar a pobreza. Em Cingapura, o jornal Today também destaca informação de que os recursos do petróleo serão usados para combater a pobreza. As duas matérias são baseadas na que foi publicada ontem no britânico The Guardian.

No site em espanhol do jornal americano Houston Chronicle, matéria diz que o Brasil ainda precisa de investimento privado. Cita Mauricio Tolmasquin, presidente da Empresa de Pesquisa Energética, afirmando que o baixo nível de risco e a segurança jurídica do Brasil tornam o pré-sal atraente para as empresas petroleiras mundiais.

Na Austrália, o jornal The Australian traz matéria com título “Brasil vê Deus e petróleo do seu lado”, dizendo que as propostas do governo brasileiro pretendem aumentar a participação do Estado para ficar com parcela maior dos lucros e alimentar uma ambiciosa agenda de desenvolvimento.

Na Indonésia, o jornal The Jakarta Post diz que o Brasil se move na direção de mais controle sobre as suas riquezas de petróleo, mas alerta que se as petroleiras estrangeiras considerarem que a proposta é onerosa, o petróleo poderá ficar preso no pre-sal. Matéria da Reuters.

Nos Emirados Árabes Unidos, o jornal The National traz matéria descrevendo a proposta e citando a reação de empresas de petróleo. Segundo o jornal, elas não quiseram se comprometer, mas que a Chevron disse que “o futuro do petróleo está no Brasil” e a Shell disse estar suspendendo seus planos em relação ao Brasil enquanto avalia as mudanças. Cita políticos da oposição no Brasil e críticos nos EUA.

No México, o jornal La Jornada de ontem trouxe ampla matéria sobre as reformas, destacando informação de que o petróleo traz segunda independência para o Brasil, com base em frase do presidente Lula.

Em Portugal, o jornal Diário de Notícias traz nota sobre a proposta e diz que as mudanças só afetam os novos contratos. Já o jornal O Publico também traz notinha, mas destaca a informação de que a Petrobras vai deter pelo menos 30% das futuras receitas do petróleo.

No semanário boliviano Pulso, ampla análise sobre os problemas do gás na Bolívia, dizendo que as dificuldades são de mercado, não de produção. Cita a possibilidade de mudanças no contrato com o Brasil.