Destaques Internacionais

Capitalização, desenvolvimento de fornecedores nacionais e plano de investimento da Petrobras são os destaques

A Dow Jones e a Xinhua distribuíram despacho dizendo que o ministro Mantega teria dito que o Banco Central estaria preparado para absorver a enorme afluência de dólar associada com a oferta de ações e que este seria “esterilizado” a fim de não afetar a taxa de câmbio estrangeira. As matérias afirmam ainda que a recém-descoberta riqueza do petróleo poderia também levar as reservas internacionais do Banco Central a US$500 bilhões, comparadas aos atuais US$233 bilhões. De acordo com a matéria, Mantega acredita que a troca de ações por direito sobre o petróleo é uma proposta em que tanto o governo quanto a Petrobras ganham, já que não há incertezas.

Ministro das Finanças: Governo pode aumentar participação na Petrobras

http://online.wsj.com/article/BT-CO-20091021-711600.html

Pré-sal” elevará reservas do Brasil a US$500 bilhões

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-750785183-1610113964&key=D|139846|S|0|x|750785183

A Dow Jones informa que o governo brasileiro deve criar um fundo especial para regular a afluência de dólares originados das reservas do pré-sal, de acordo com declaração do Ministro da Fazenda, Guido Mantega. Segundo a matéria, Mantega teria explicado que tal fundo teria o objetivo de diminuir a velocidade da apreciação da moeda local e ajudar a manter uma balança comercial exterior saudável. A matéria informa que o Ministro não teria especificado se o governo criaria um novo fundo ou se usaria recursos semelhantes de um fundo soberano para administrar o excesso dos investimentos que entrarem e cita o “fundo social” proposto com o novo marco regulatório.

Mantega: Fundo é necessário para regular os dólares do petróleo do pré-sal

http://online.wsj.com/article/BT-CO-20091021-709881.html

A DPA aproveitou as declarações do Ministro Guido Mantega para dar matéria que cita o plano de investimento da Petrobras, o plano de capitalização da empresa pelo governo e o interesse deste em ter mais participação na petrolífera. A matéria informa que Haroldo Lima, presidente da ANP, é a favor do aumento da participação do governo na Petrobras e teria afirmado que “Isso é necessário diante da grande retração de crédito internacional, as oscilações intensas nos preços do barril de petróleo e diante da elevada quantidade de recursos necessários para capitalizar a empresa.”

Petrobras investirá 174 bilhões de dólares até 2015

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-750744330-1609966227&key=D|139846|S|0|x|750744330 

A Bloomberg cita a Petrobas em matéria que afirma que os mercados emergentes superarão as economias desenvolvidas com o “apetite voraz” da China por commodities. Segundo a matéria, a Petrobras e a Gazprom estarão entre os principais beneficiários da demanda chinesa, de acordo com analista do RBC. Por outro lado, matéria da Reuters intitulada “Alertas críticos para a Petrobras, Coca-Cola, DuPont, Nasdaq e Hershey publicados pela Seven Summits Research”, informa que analistas da Seven Summits Research dizem o contrário.

Empresas de mercados emergentes prontas para ganhar com a China, diz RBC

http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=newsarchive&sid=aBsMdvB0c9ro

Alertas críticos para a Petrobras, Coca-Cola, DuPont, Nasdaq e Hershey publicados pela Seven Summits Research

http://www.reuters.com/article/pressRelease/idUS142739+21-Oct-2009+PRN20091021

A Xinhua publicou matéria dizendo que José Sérgio Gabrielli, presidente da Petrobras, teria declarado que a empresa aumentará a exigência de conteúdo nacional em todos os bens e serviços que comprar. Segundo a matéria, Gabrielli teria dito que “Não basta que os navios sejam construídos em estaleiros brasileiros. Queremos mais conteúdo nacional em seus motores, nos sistemas de radar, na geração de energia. Enfim, em todos os componentes do navio.” Segundo a matéria, Gabrielli informou que os técnicos estão estudando 800 sistemas produtivos, que envolvem 600 produtos que poderiam ser objeto de uma política de nacionalização. A Xinhua diz que Gabrielli teria dito, durante conferência no Clube Militar, que todas as grandes empresas brasileiras poderiam atuar da mesma forma que a Petrobras, estimulando a indústria nacional.

Petrobras busca estimular indústria nacional brasileira

No site em espanhol do jornal chinês People’s Daily, também matéria que diz que o presidente Gabrielli informou que a Petrobras vai aumentar a exigência de percentual de conteúdo nacional em todos os bens e serviços que compre. Segundo o site, em palestra no Clube Militar do Rio, ele informou que o percentual, que era de 57% em 2001, chegou a 75% nas últimas compras feitas pela empresa.

 

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-750785380-1610114748&key=D|139846|S|0|x|750785380

A BNamericas publicou matéria dizendo que, de acordo com a União Internacional do Gás (IGU), a demanda por gás natural na América Latina deveria aumentar nas próximas duas décadas e grande parte desta demanda será proveniente do setor elétrico. A matéria informa que a Petrobras anunciou seus planos de liquefazer gás costa a fora e de vendê-lo a países vizinhos com terminais de importação como Chile e Argentina. Além disso, de acordo com a matéria, a Petrobras teria dito também que suas importações de GNL aumentariam para suprir a demanda nacional.

A América Latina se vira para o GNL

http://ewatch.prnewswire.com/rs/display.jsp?a=20579-750765182-1610039060&key=D|139846|S|0|x|750765182

A Upstream tem matéria dizendo que o Peru pode triplicar sua produção de petróleo até 2015. O Bloco 58 da Petrobras é citado entre as recentes descobertas no Peru, onde encontrou-se gás natural.

Peru pode triplicar produção de petróleo

http://www.upstreamonline.com/live/article196458.ece

A BNamericas publicou matéria dizendo que a Petrobras e os sindicatos ainda não concluíram as negociações para o fim da greve.

Petrobras e funcionários não conseguem terminar com a greve – fonte

http://www.bnamericas.com/news/oilandgas/Petrobras,_workers_fail_to_end_stalemate_-_source

No jornal online de Hong Kong Asia Times, extensa análise sobre os crescentes investimentos e influência da China na América Latina. Entre outros argumentos, diz que a China vem se tornando um banqueiro fundamental para a América Latina. Cita o empréstimo feito para a Petrobras e avaliação do presidente Gabrielli na época que disse não haver ninguém no governo dos EUA com quem fosse possível sentar e ter o tipo de discussão que estava tendo com os chineses.