Sessão da CPI – Patrocínios – 22 de setembro

O senador João Pedro Cunha (PT/AM) fez a abertura da sessão da CPI da Petrobras desta terça-feira (22/9) sobre patrocínios. O gerente Executivo de Comunicação Institucional da Petrobras, Wilson Santarosa, iniciou a sua apresentação explicando o organograma da empresa e as áreas de comunicação existentes na Companhia.

Descreveu, ainda, a estrutura de comunicação nas áreas de negócios e as competências das gerências da Comunicação Institucional da Petrobras, que compreendem: o desenvolvimento e execução de ações nas áreas de publicidade, promoção, projetos de responsabilidade social e ambiental, patrocínios culturais e esportivos, imprensa, imagem corporativa e marcas, eventos, comunicação internacional e de relacionamento com diversos públicos da companhia.

Após explanação de Santarosa, a gerente da área de Patrocínios, Eliane Sarmento Costa, apresentou informações relativas aos patrocínios culturais e esportivos da Petrobras. Eliane explicou que os projetos recebidos pela empresa passam por uma análise técnica realizada por uma equipe de 40 funcionários, que avaliam, entre outros, o mérito e a consistência dos projetos. De 2000 até agosto de 2009, 21.320 projetos de patrocínio foram recebidos pela Petrobras. Desse total, 2.753 foram contratados, sendo 2600 na área cultural e 153 na esportiva. Em relação às seleções públicas, foram recebidas 26 mil inscrições de projetos culturais. A seleção dos projetos, informa Eliane, conta com a participação de especialistas externos tanto na área esportiva quanto cultural.

Eliane destacou que os patrocínios são uma importante ferramenta estratégica para a Petrobras. “Os patrocínios fortalecem nossa reputação, potencializam a identificação de nossos públicos com a empresa, reforçam nossa excelência tecnológica e favorecem o relacionamento com nossos públicos de interesse”, afirma. “Além disso, são importantes do ponto de vista fiscal. Nos últimos anos, tivemos R$ 850 milhões em redução no Imposto de Renda em virtude dos incentivos fiscais”, completou. A gerente ressaltou a importância dos patrocínios na valorização da marca Petrobras. “Nos últimos cinco anos, nossa marca valorizou 440%. É uma prova inequívoca da eficiência de nosso programa de patrocínios”, destacou.

Em seguida, o gerente de Responsabilidade Social, Luís Nery, informou que a Petrobras patrocina, há 28 anos, o programa ambiental mais antigo do Brasil, o Projeto Tamar. O gerente disse ainda que, desde 2004, a Petrobras mantém processo de seleção publica para projetos sociais e ambientais. Eles passam por uma avaliação que inclui representantes da Companhia e da sociedade civil.

Após duas horas de paralisação, a sessão da CPI foi retomada às 18h30 com o início das perguntas pelos senadores. Wilson Santarosa informou que todos os patrocínios são concedidos unicamente por critérios técnicos. “Não levamos em consideração critérios políticos, nossos critérios são unicamente técnicos”, ressalta.

Em relação aos patrocínios a festas de São João, Santarosa destacou a importância desses eventos. “É a principal festa popular do Brasil, reúne mais gente do que o carnaval”, disse. Além disso, os patrocínios estão alinhados com uma das diretrizes do Programa Petrobras Cultural, que é a preservação e divulgação da Cultura Popular, e servem de instrumento de relacionamento com as comunidades de área de influência das unidades de negócio da Petrobras. Explicou que os contratos não são feitos com as prefeituras. Os pedidos de patrocínio são apresentados à Petrobras por entidades que detêm o direito de representar as prefeituras. A Companhia avalia tecnicamente as propostas.

Em resposta ao senador Álvaro Dias (PSDB/PR), Santarosa esclareceu que todas as recomendações do Tribunal de Contas da União (TCU) em relação aos contratos de publicidade da Petrobras foram integralmente cumpridas. Santarosa também ressaltou que nunca foi notificado ou convocado pela Polícia Federal, ou Ministério Público, ou por qualquer outro órgão.

Ao serem perguntados sobre as prestações de contas, os depoentes explicaram que a legislação prevê que o patrocinador acompanhe o cumprimento das contrapartidas previstas.

Nery explicou que a Petrobras exige o cumprimento do objeto contratual e das contrapartidas de exposição de marca de todo projeto que patrocina. ”Para que haja liberação de novos recursos, o patrocinado precisa cumprir o que foi acertado. Acompanhamos isso com rigor”, explica. Segundo o gerente, todos os números relativos a patrocínios são disponibilizados no Balanço Social da empresa. “O objetivo é garantir o máximo de transparência”, afirma.

Ao falar na sessão, Delcídio Amaral (PT/MS) destacou o avanço na área de patrocínios conquistado pela Companhia e a aderência entre os projetos e o planejamento estratégico da empresa. Ressaltou a importância de dar visibilidade ä marca por meio dos patrocínios e afirmou que a Petrobras possui rigor absoluto, critérios muito bem estabelecidos e gestão profissional. Alem disso, falou dos ganhos que os convênios e patrocínios trouxeram para imagem da empresa e a valorização da marca atrelada à sua ação social e ambiental.

Citou uma série de reconhecimentos que colocam a Petrobras entre as quatro empresas de melhor reputação do mundo, além de ter ganho o premio Top of Mind por cinco edições consecutivas . “A marca Petrobras está nos corações e mentes dos brasileiros e das brasileiras e do meu ponto-de-vista cresceu mais. É uma relação com a ética, a transparência e a responsabilidade social.”

Em resposta ao senador Jefferson Praia (PDT/AM), Santarosa enfatizou novamente que a Petrobras não aceita nem recusa projetos de patrocínio por motivos políticos. “Mais uma vez, os critérios são unicamente técnicos, não levamos em conta influências externas”, destacou.

 Para o senador Inácio Arruda (PCdoB/CE), os patrocínios da Petrobras têm um forte valor social. “Eles apoiam quem, de outra maneira, não teria nenhum apoio. É muito significativo o apoio que a Petrobras dá a esse público”, observa Arruda.

 O senador Delcídio Amaral (PT/MS) afirmou que é perceptível a evolução da comunicação institucional da Petrobras, sobretudo em relação aos patrocínios. “Veem-se nitidamente os cuidados com a análise dos projetos, feita em muitos casos por consultores de fora da empresa. Não tenho dúvidas que a posição da Petrobras foi sempre de reforçar sua imagem e inserir-se em ações que derivassem na valorização da marca, que está no coração e na mente dos brasileiros”, destacou.

 A sessão foi encerrada às 21h40. A próxima reunião será no dia 29 de setembro e terá como tema as plataformas de exploração de petróleo em águas profundas.